54605 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788527726559

CAPÍTULO 124 – Atualização das Aplicações Clínicas em Otoneurologia

MARCHESAN, Irene Queiroz; JUSTINO, Hilton; TOMÉ, Marileda Cattelan Roca PDF

Capítulo 1 2 4

Atualização das Aplicações Clínicas em

Otoneurologia

B ia n c a S i m o n e Z e i g e l b o i m

Introdução

A manutenção do equilíbrio corporal depende de três sistemas que atuam de maneira integrada sob a coordenação do cerebelo: o visual, o vestibular e o proprioceptivo. Alterações nesses sistemas são com frequência encontradas em pacientes com queixa de tontura.

A tontura é um sintoma subjetivo com características variadas. Surge por meio de mecanismos fisiopatológicos diversos, e pode ser a queixa mais comum em doenças que acometem o sistema vestibular tanto periférico quanto central. É considerada a terceira fonte de queixa em consultório médico e sua prevalência aumenta conforme o avanço da idade.

O equilíbrio corporal tem sido objeto de estudo por profissionais na área da saúde e, com isso, equipamentos cada vez mais modernos, e que trazem maior especificidade na avaliação e na reabilitação do paciente vertiginoso, têm surgido nas últimas décadas. Assim, observa-se o avanço rápido de recursos tecnológicos digitais que estão substituindo os procedimentos analógicos. O objetivo deste capítulo é apresentar um pou­co dessa evolução tecnológica que vem ao encontro dos interesses dos profissionais que atuam nessa

Ver todos os capítulos
Medium 9788547210014

c a p í t u l o 7 - Modelos produtivos sustentáveis e seus impactos na produção

ALIGLERI, Lilian; ALIGLERi, Luiz Antonio Saraiva - UNI PDF

capítulo 7

Modelos produtivos sustentáveis e seus impactos na produção

introdução

O termo sustentabilidade está suscetível a diferentes interpretações. No sentido político, a sustentabilidade é entendida como o desenvolvimento capaz de garantir que as atuais gerações satisfaçam às suas necessidades sem, no entanto, comprometer a capacidade das gerações futuras satisfazerem suas próprias necessidades.1 Tal definição está ancorada na definição etimológica, uma vez que palavra em origem no latim sustentare, que significa “sustentar, defender, apoiar, conservar e cuidar”.

A sustentabilidade rapidamente foi implantada no vocabulário politicamente correto de empresas, organizações da sociedade civil e meios de comunicação de massa. Dessa forma, vários modelos de gestão foram criados com o propósito de contribuir para a inserção de tal conceito no ambiente empresarial. Destaca-se, entretanto, que nenhum deles pode ser considerado uma proposta completa, que abrange todas as nuances da organização e da sustentabilidade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521633792

Capítulo 4 - Segunda Metade do Século XX

TELLES, Pedro Carlos da Silva LTC PDF

C

o

apítul

4

Segunda Metade do Século XX

Usina Hidrelétrica do Funil. Barragem em abóbada de dupla curvatura em concreto armado – rio Paraíba do Sul.

SilvaTeles-004.indd 177

22/03/17 10:28

Capítulo 4

64

Estádio do Maracanã (1950)

Em 16 de junho de 1950, foi inaugurado o estádio municipal do Maracanã, no

Rio de Janeiro, para que o Brasil pudesse sediar a Copa do Mundo, já que a

Europa se encontrava abalada pela Segunda Guerra Mundial. Com grande incentivo do jornalista Mario Filho, depois homenageado dando seu nome ao estádio, a obra finalmente pôde ser concretizada, contrariando a opinião pública e políticos, que defendiam a aplicação do dinheiro na construção de hospitais e escolas.

É, até hoje, um dos maiores estádios de futebol em todo o mundo.

O campo tem medidas oficiais de 108 m ´ 65 m, em uma área de 186.638 m2, no qual foram realizadas grandes competições de futebol, como a Copa do

Mundo de 1950, e o primeiro Campeonato Mundial Interclubes da FIFA, em

Ver todos os capítulos
Medium 9788581140896

Caso clínico 28: Doença trofoblástica gestacional

CARVALHO, Luiz Fernando Pina de; KORKES, Henri Augusto; SASS, Nelson; ABRÃO, Maurício Simões AC Farmacêutica PDF

28

Caso clínico

HISTÓRICO

H

Ver figura em cores no Encarte Colorido

Pi i

Primigesta,

23 anos, na 13ª semana de gestação, procurou o serviço de Obstetrícia com queixa de sangramento abundante há 2 horas. Refere náuseas e vômitos desde o início da gravidez. Nega antecedentes clínicos, cirúrgicos ou outras intercorrências obstétricas. Ao exame, apresentava-se em bom estado geral, descorada ++/4+ e sem alterações hemodinâmicas. Ao exame especular, evidenciou-se pequena quantidade de sangue coletado em fundo de saco, e, ao toque vaginal, colo uterino impérvio, amolecido e corpo uterino aumentado, acima da cicatriz umbilical. Exame abdominal, altura uterina de 22 cm e batimentos fetais inaudíveis ao sonar.

Após exame de ultrassom foi indicado esvaziamento uterino.

QUESTÕES

1) Qual a principal hipótese diagnóstica para o caso apresentado acima?

Estamos diante de um quadro de sangramento na primeira metade da gestação. As hipóteses diagnósticas são abortamento, gravidez ectópica e mola hidatiforme, por ordem de frequência (abortamento: 10% a 15%, gravidez ectópica: 2% e mola hidatiforme 1:1500 a 2000 gestações). As náuseas e vômitos são sinais clínicos importantes da produção de gonadotrofina,

Ver todos os capítulos
Medium 9788597011623

13 - O BALANÇO PATRIMONIAL

IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARION, José Carlos; FARIA, Ana Cristina de Atlas PDF

13

O BALANÇO PATRIMONIAL

13.1 Introdução

O Balanço Patrimonial é a peça contábil que retrata a posição (saldo) das contas de uma entidade após todos os lançamentos das operações de um período terem sido feitos, após todos os provisionamentos (depreciação, devedores duvidosos etc.) e ajustes, bem como após o encerramento das contas de Receita e Despesa também ter sido executado.

Hierarquia

O Balanço Patrimonial é a mais importante demonstração contábil de “posição” das contas num determinado momento. Imagine-se a estrutura e hierarquia do sistema contábil de informação mais ou menos desta forma simplificada:

Os Princípios Fundamentais

Processamento Contábil

Ajustes

Relatórios de Saída

Relatórios de

Posição

IUDICIBUS-MARION-FARIA.indb 173

Relatórios de

Fluxo

Relatórios de Comparação e Exceção

20/02/2017 16:54:40

174 CAPÍTULO 13

Os Princípios Fundamentais representam a cúpula de todo o edifício contábil, principalmente da Contabilidade Financeira.

Ver todos os capítulos
Medium 9788502084377

1.2 Jogos competitivos e jogos cooperativos

Câmara, Fabiana Editora Saraiva PDF

Fundamentos de Negociação

– relacionamento: todas as negociações criam relacionamentos. Se houver alguma desavença anterior entre os negociadores, com certeza a negociação será afetada. A perspectiva de uma nova oportunidade de negociação com as mesmas pessoas e a expectativa quanto a esse futuro afetarão a presente negociação.

Tem-se uma situação complexa quando as condições anteriormente relacionadas estiverem envolvidas em um processo de negociação. Cada uma das partes possui metas e interesses que justificam uma negociação E nenhuma parte conseguirá atingir seus objetivos sem a cooperação da outra parte, e cada uma delas buscará maximizar o ganho ao longo do processo de negociação, minimizando as concessões, sob o risco de ter seus interesses afetados, caso não seja alcançado o acordo.

Em uma negociação, cada uma das partes tem informações limitadas sobre os verdadeiros objetivos e interesses da outra parte, então não é óbvio saber o que se deve oferecer, como oferecer e o que poderá ser oferecido. Com base nessas questões, o processo de negociação desenvolve-se sobre um dilema fundamental: informar às partes sobre seus interesses é importante para ganhar valor, porém essa informação oferece um risco que corresponde à utilização dessa informação pelas partes contra seus interesses. O paradoxo competição versus cooperação é denominado dilema do negociador: “Para criar valor é preciso oferecer informações sobre os seus interesses, porém revelar seus interesses pode criar desvantagem, podendo ser utilizado pela outra parte contra você”.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577800674

LIÇÃO 14 Revisando e compartilhando uma apresentação

Coelho Corrêa da Silva, Aldir José Grupo A - Bookman PDF

LIÇÃO

14

Revisando e compartilhando uma apresentação

Depois desta lição, você será capaz de:

Adicionar comentários a uma apresentação.

Adicionar proteção de senha a uma apresentação.

Enviar uma apresentação via correio eletrônico.

Manipular alterações do revisor.

Transmitir uma apresentação on-line.

Usar O Pacote Para CD e o Visualizador do PowerPoint.

TERMOS-CHAVE

Visualizador do PowerPoint

Após criar o rascunho de uma apresentação, talvez você queira distribuí-la para seus colaboradores e solicitar um feedback. Trabalhar em conjunto pode ajudá-lo a produzir apresentações precisas e completas.

Uma apresentação do Microsoft PowerPoint pode ser enviada por meios eletrônicos para os revisores, para que eles possam ler, revisar e fazer comentários sem que seja necessário imprimi-la. Depois que os revisores devolverem as apresentações editadas, você pode mesclá-las à apresentação original e, em seguida, aceitar ou rejeitar as alterações que eles sugeriram. Para proteger uma apresentação durante o processo de revisão, você pode aplicar uma senha que restrinja sua modificação ou abertura.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547214548

3. A ncoragem constitucional

ESTEFAM, André Saraiva - jur PDF

3. �Ancoragem constitucional

A tutela penal somente encontra legitimidade política quando se propõe a salvaguardar valores fundamentais expostos (direta ou indiretamente) em nossa Constituição. Essa assertiva deriva, em primeiro lugar, do fato de nosso país constituir-se em

Estado Democrático de Direito. Decorre, ademais, da força normativa (hoje amplamente reconhecida) de nossa Lei Fundamental.

Durante o século XX, uma das mais significativas mudanças de paradigma no plano do Direito foi a outorga à norma constitucional do status de norma jurídica, dotada de imperatividade­e observância cogente (sob pena de desencadear procedimentos específicos para sua salvaguarda e prevalência). Isto é, a Constituição deixa de ser mera carta programática ou um conjunto de ideais a serem implementados ao talante dos Poderes Constituídos e se torna verdadeiro documento, superior a todos os outros, nos quais as leis devem retirar seu fundamento e encontrar sua validade.

Daí por que deve preceder a análise dos tipos penais a busca por identificar nestes qual o constitucional que procura albergar.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547210762

14. São Paulo Lei Complementar estadual n. 988/2006 – contextohistórico e vetos

GOMES, Marcos Vinícius Lopes Saraiva- Jur PDF

sultado da demanda puder beneficiar grupo de pessoas hipossuficientes. Por fim, o inciso V do mesmo art. 4º prevê a atribuição de exercer a ampla defesa e o contraditório em favor de pessoas naturais e jurídicas.

O inciso XIII do art. 4º vetado previa que seria atribuição da Defensoria

Pública homologar transações judiciais. No mesmo sentido, o § 3º do art. 4º também vetado previa que os acordos celebrados pelas partes, se homologados por defensor público, valeriam como título executivo extrajudicial. O fundamento para os vetos aos referidos dispositivos fundamenta-se no fato de serem atividades incompatíveis com a função institucional da Defensoria Pública.

Porém nada mais equivocado. Corrigindo tal problema, a Lei Complementar n. 132/2009 acrescentou o § 4º ao art. 4º, estipulando que “o instrumento de transação, mediação ou conciliação referendado pelo defensor público valerá como título executivo extrajudicial, inclusive quando celebrado com pessoa jurídica de direito público”. Ademais, o referido dispositivo coaduna-se com o art.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530974336

PARTE II - Capítulo XIX – Alterações do contrato de trabalho

STUCHI, Victor Hugo Nazário Método PDF

Capítulo XIX

Alterações do contrato de trabalho

1. Possibilidade. Os contratos de trabalho só podem ser alterados bilateralmente, ou seja, por mútuo consentimento e também não podem causar prejuízos, diretos ou indiretos, ao empregado (artigo 468, Consolidação das

Leis do Trabalho). Em qualquer dos casos, o desrespeito à lei acarretará nulidade da alteração.

2. Condições Essenciais do Contrato de Trabalho. São condições essenciais do contrato de trabalho a função, o salário e a localidade. A lei estabelece regras específicas para a alteração dessas condições essenciais.

Nos contratos individuais de trabalho só é lícita a alteração das respectivas condições por mútuo consentimento, e ainda assim desde que não resultem, direta ou indiretamente, prejuízos ao empregado, sob pena de nulidade da cláusula infringente desta garantia.

3. Alteração da Função. A alteração de função pode ser horizontal, ou seja, no mesmo nível hierárquico, ou vertical, que pode envolver uma promoção ou um rebaixamento.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547215705

11 - Do Direito das Coisas

CASSETTARI, Christiano Saraiva - Jur PDF

Do Direito das Coisas

O Direito das Coisas é o complexo das normas disciplinadoras das relações jurídicas referentes aos bens suscetíveis de apropriação exclusiva pelo homem. O fundamento primordial desse direito são a posse e os direitos reais.

11.1. DA POSSE

A posse é explicada por duas teorias:

Teoria Subjetiva de Savigny. Para essa teoria, posse é o poder que tem a pessoa de dispor fisicamente de uma coisa, com a intenção de tê-la para si e de defendê-la contra a intervenção de outrem. Dois são os elementos constitutivos da posse: (1) o poder físico sobre a coisa, ou seja, o fato material de ter à sua disposição a detenção da coisa (corpus); e (2) a intenção de tê-la como sua, de exercer sobre ela o direito de propriedade (animus). Assim, para ser possuidor não basta deter a coisa, requer-se ainda a vontade de tê-la, como proprietário ou com vontade de possuí-la para si. Isoladamente, nenhum desses elementos basta para constituir a posse, pois a falta do animus caracteriza-se como mera detenção. Esta teoria NÃO foi adotada pelo Código Civil.

Ver todos os capítulos
Medium 9788502169456

15 Altos índices de reprovação devem preocupar?

Rocha, Marcelo Hugo da Editora Saraiva PDF

tamente o que o leitor e examinando procura numa obra de questões comentadas.

A qualidade da obra está em preferir guiar a preparação através de questões selecionadas em vez de sugerir que a resolução do maior número possível de questões ou a apresentação de comentários minuciosos sejam a fórmula segura, desconsiderando o custo-benefício do tempo disponível para a grande maioria dos examinandos.

O Manual de Dicas 1ª Fase é outro projeto que traz como característica o pioneirismo na abordagem e nos recursos empregados para destacar as dicas (através de etiquetas) que foram tema de questionamento direto pela banca FGV.

Todas as disciplinas estão presentes e representadas pela experiência de grandes nomes de cursos preparatórios e instituições educacionais. Uma obra para ser considerada tanto como primeiros estudos a fim de levar o leitor a se aprofundar em assuntos que frequentemente são cobrados como também para a revisão do conteúdo que já foi instruído anteriormente.

Por fim, é uma coleção que leva a credibilidade da Editora Saraiva para sua preparação através de livros jurídicos especializados para o Exame de Ordem e realizados por quem leva a sério a conquista de sua aprovação.

Ver todos os capítulos
Medium 9788502638686

NOTA À 13ª EDIÇÃO

PIOVESAN, Flavia Saraiva- Jur PDF

NOTA À 13ª EDIÇÃO

Revisar, atualizar e ampliar este livro para a sua 13ª edição constitui um momento privilegiado para um mergulho reflexivo nas inovações, avanços, perspectivas e desafios para a proteção dos direitos humanos no plano internacional e interno.

Na esfera internacional, observou-se a tendência de fortalecimento da jurisdição em matéria de direitos humanos, com a expansão do repertório de casos submetidos ao Tribunal Penal Internacional (com destaque aos casos relativos à Líbia1 e à Costa do Marfim2), bem como a ampliação da jurisprudência dos Tribunais ad hoc para a ex-Iugoslávia e para a Ruanda, e da Corte Interamericana de Direitos Humanos.

Decisões emblemáticas da Corte Interamericana mereceram especial

ênfase, como o caso Gomes Lund vs. Brasil3, em que a Corte condenou o

Brasil em virtude do desaparecimento de integrantes da guerrilha do Araguaia durante as operações militares ocorridas na década de 70, ressaltando que a lei de anistia de 1979 é manifestamente incompatível com a Convenção Americana, carece de efeitos jurídicos e não pode seguir representando um obstáculo para a investigação de graves violações de direitos humanos, nem para a identificação e punição dos responsáveis. No caso Acevedo

Ver todos os capítulos
Medium 9788527719216

Capítulo 76 - Tumores Benignos e Malignos das Glândulas Salivares

MÉLEGA, José Marcos; VITERBO, Fausto; MENDES, Flávio Henrique Guanabara Koogan PDF

76

Tumores Benignos e Malignos das

Glândulas Salivares

Márcio Abrahão  •  Paulo Pontes

XX

Introdução

As neoplasias das glândulas salivares representam um grupo diverso de tumores benignos e malignos cujo diagnóstico patológico exato é fundamental para o planejamento terapêutico e prognóstico. Representam cerca de 2% a 6,5% dos tumores da região da cabeça e pescoço, acometendo

1,7:100.000 homens e 1,1:100.000 mulheres.1,2

Aparecem geralmente na sexta década de vida, principalmente as doenças malignas, enquanto as doenças benignas apresentam-se acima dos 40 anos de idade. As neoplasias benignas ocorrem mais frequentemente nas mulheres, enquanto os tumores malignos são distribuídos igualmente entre os sexos.1,2

As glândulas salivares são divididas em maiores e menores. As maiores consistem em três pares de glândulas: as parótidas, as submandibulares e as sublinguais. As menores compreendem de 600 a 1.000 unidades de pequenas glândulas distribuídas em todo o trato aerodigestivo superior.

Ver todos os capítulos
Medium 9788565848718

Parte II - Os inícios do conhecimento

Castorina, José A. Grupo A - Penso PDF

Desenvolvimento cognitivo e educação: os inícios do conhecimento 155

to) e estimar a frequência de acontecimentos ou objetos (número). Dificilmente poderíamos imaginar um mundo alheio a eles e menos ainda sobreviver nele.

Passando agora ao bebê: suas expectativas sobre o mundo são semelhantes às do adulto? Desde quando ele conhece as propriedades que distinguem seres animados (pessoas, animais) de seres inanimados (objetos)?

Neste capítulo abordaremos estes e outros aspectos do desenvolvimento do conhecimento do bebê, anteriores ao surgimento da função semiótica.

Como o bebê conhece a realidade?

Diferentes teorias, diferentes respostas

Uma das grandes diferenças entre os teóricos do desenvolvimento reside precisamente em sua perspectiva sobre o desenvolvimento. Alguns o concebem como um processo evolutivo no qual as transformações mais importantes são produzidas durante a ontogênese (a vida do indivíduo) enquanto outros o consideram um processo de enriquecimento a partir de um substrato filogenético (p. ex., as capacidades selecionadas ao longo da história da espécie). Entre os dois extremos existem posições intermédias que tentam integrar aspectos de ambas as perspectivas, a evolutiva-ontogenética e a evolucionista-filogenética. Mas qualquer que seja a abordagem teórica escolhida todos consideram que o estudo do bebê é uma oportunidade única para tentar desvendar os segredos da origem do conhecimento: Qual é o estado inicial do bebê e como ele experimenta o mundo? Como ele chega a conhecer a realidade? Comecemos esboçando as respostas que diferentes teorias têm oferecido desde os princípios do século XX até os dias de hoje.

Ver todos os capítulos

Carregar mais