17 capítulos
Medium 9788536305271

Glúteo

Lima, Cláudia Silveira Grupo A - Artmed PDF

membros inferiores

155

Extensão mais rotação externa do quadril

GLÚTEO MÁXIMO

6,7 mV

BÍCEPS FEMORAL – CABEÇA LONGA

0,4 mV

SEMITENDÍNEO

0,3 mV

SEMIMEMBRANÁCEO

0,7 mV

Existe diferença entre o joelho flexionado e o joelho estendido?

A execução do exercício de extensão do quadril com o joelho flexionado intensifica a ação do glúteo máximo. Mesmo com a redução do braço de resistência que ocorre com a flexão do joelho, o glúteo máximo aumenta sua ativação. Isso ocorre porque, nessa posição, não há torque de resistência em relação à extensão do joelho, e, portanto, os isquiotibiais não precisam ser ativados para evitar este movimento. Além disso, esses músculos se encontram em uma posição inadequada para produzir força, ou seja, em encurtamento quase máximo.

Obs.: O sinal eletromiográfico foi registrado utilizando o mesmo torque de resistência para ambas as situações.

Joelho flexionado

GLÚTEO MÁXIMO

3 mV

BÍCEPS FEMORAL – CABEÇA LONGA

0,7 mV

SEMITENDÍNEO

0,8 mV

SEMIMEMBRANÁCEO

1,3 mV

GLÚTEO MÁXIMO

2,5 mV

BÍCEPS FEMORAL – CABEÇA LONGA

Ver todos os capítulos
Medium 9788536305271

Flexão plantar

Lima, Cláudia Silveira Grupo A - Artmed PDF
Medium 9788536305271

Puxadas

Lima, Cláudia Silveira Grupo A - Artmed PDF

60

puxadas

Principais articulações envolvidas

Ombro

Cintura escapular

Cotovelo

Análise cinesiológica

OMBRO

CINTURA ESCAPULAR

Adutores

COTOVELO

Flexores

Rotadores inferiores

Latíssimo do dorso

(grande dorsal)

Peitoral maior – parte esternocostal

Rombóides

Redondo maior

Bíceps braquial – cabeça curta

Peitoral menor

Tríceps braquial – cabeça longa

Bíceps braquial

Braquial

Braquiorradial

Pronador redondo

Flexor radial do carpo

Flexor ulnar do carpo

Palmar longo

Flexor superficial dos dedos

Variações

As variações das puxadas ocorrem em virtude das diferentes formas de posicionamento da barra (por trás ou pela frente) e desencadeiam diferentes ações musculares.

Posição da barra

Por trás

Pela frente

Por trás

Em comparação com a puxada pela frente:

A amplitude de movimento de rotação interna é ↓.

A intensidade do trabalho dos adutores do ombro é ↓.

A intensidade do trabalho dos rotadores internos do ombro é ↓.

REDONDO MAIOR

9,3 mV

PEITORAL MAIOR – PARTE ESTERNOCOSTAL

1 mV

LATÍSSIMO DO DORSO (GRANDE DORSAL)

2,8 mV

BÍCEPS BRAQUIAL

2,1 mV

TRÍCEPS BRAQUIAL – CABEÇA LONGA

Ver todos os capítulos
Medium 9788536305271

Supino

Lima, Cláudia Silveira Grupo A - Artmed PDF

26

supino

Principais articulações envolvidas

Ombro

Cintura escapular

Cotovelo

Análise cinesiológica

COTOVELO

CINTURA ESCAPULAR

OMBRO

Flexores horizontais

Extensores

Abdutores

Peitoral maior – parte clavicular

Coracobraquial

Serrátil anterior

Tríceps braquial

Ancôneo

Peitoral maior – parte esternocostal

Deltóide – parte clavicular

Peitoral menor

Extensor radial curto do carpo

Extensor radial longo do carpo

Bíceps braquial – cabeça curta

Subescapular

Extensor ulnar do carpo

Extensor dos dedos

Extensor do dedo mínimo

Variações

O exercício supino pode ser realizado com variações na inclinação do banco – que interferem na ativação das diferentes partes do peitoral maior (Glass e Armstrong, 1997; Barnett, Kippers e Turner, 1995; Stephen e Armstrong, 1997) – e nas formas de empunhadura – que interferem na contribuição do tríceps braquial para a execução do exercício.

Obs.: A inclinação do banco utilizada para coleta do sinal EMG, tanto na posição inclinada como na declinada, foi de 30o.

Inclinação do banco

Reto

Inclinado

Declinado

Ver todos os capítulos
Medium 9788536305271

Rotação externa

Lima, Cláudia Silveira Grupo A - Artmed PDF

membros superiores

101

Qual a importância desse tipo de exercício para a estabilidade do ombro?

A estrutura óssea da articulação do ombro predispõe a uma instabilidade articular, e a musculatura acaba tendo um papel importante na sua estabilização. Os principais músculos responsáveis por essa estabilização são os pertencentes ao manguito rotador, composto pelo supraespinal, pelo subescapular, pelo infra-espinal e pelo redondo menor. Esses músculos são os principais responsáveis pelos movimentos de rotação do ombro, sendo que esses movimentos são pouco executados em exercícios específicos, tanto em função da inexistência de equipamentos como também pela falta de clareza em relação à função de estabilização desses músculos, o que torna a articulação do ombro suscetível a lesões.

Esse exercício é importante para indivíduos que apresentam ombros protraídos com rotação interna associada e deve ser prescrito na rotina de treinamento em virtude de os seus antagonistas, os rotadores internos, serem excessivamente trabalhados de forma indireta em vários outros exercícios, o que não ocorre com os rotadores externos.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos