185 capítulos
Medium 9788582713709

Por que treinar para a função?

James C. Radcliffe Grupo A PDF

Por que treinar para a função?

Qualquer indivíduo que pratica esportes e deseja melhorar sua saúde e desempenho precisa de um programa de treinamento que 1) prepare-o para os rigores do esporte e seus movimentos e 2) melhore os aspectos técnicos e fisiológicos de como o esporte é realizado. É raro encontrar um esporte ou uma atividade atlética que não envolva postura, equilíbrio, estabilidade e mobilidade.

A

maioria dos jogos é disputada em pé, sobre os pés e com flexões, extensões e rotações em várias direções. O treinamento dessas funções ajudará a melhorar o desempenho e a manter a saúde.

A capacidade de mover-se com mobilidade e estabilidade serve para lhe manter no caminho correto do sucesso e este livro irá lhe mostrar o caminho.

Muitos terapeutas, técnicos, treinadores e profissionais estão desenvolvendo um trabalho formidável na área do treinamento com um propósito “funcional”. Mas o que exatamente

é “treinamento funcional”? Se você digitar o termo em um site de pesquisas, milhares de links com centenas de diferentes definições irão aparecer. De maneira similar, pergunte a

Ver todos os capítulos
Medium 9788582713891

Capítulo 11 - Treinamento Resistido para Idosos

Steven J. Fleck; William J. Kraemer Grupo A PDF

11

Treinamento Resistido para Idosos

Após o estudo deste capítulo, você deverá ser capaz de:

1. diferenciar fatores modificáveis e não modificáveis relacionados à população com mais idade;

2. descrever as alterações hormonais resultantes do processo de envelhecimento em homens e mulheres com relação à andropausa e à menopausa, e as implicações gerais à população idosa;

3. listar as alterações na composição corporal associadas ao envelhecimento e ao indivíduo, bem como os impactos cumulativos;

4. explicar o fenômeno da perda de força e potência musculares, bem como as causas na popu­ lação de pessoas idosas;

5. listar as adaptações principais no treino resistido para a população idosa; e

6. identificar os aspectos mais importantes na elaboração de um programa de treino resistido para idosos.

Com o avanço da idade, os indivíduos mais velhos passam

por várias mudanças em seus corpos, incluindo diminuições nas secreções hormonais, atrofia muscular e reduções na densidade óssea. As alterações que ocorrem com o envelhecimento têm efeitos drásticos, em consequência de perda de função e da independência. Um programa ideal de treinamento resistido pode atenuar as reduções fisiológicas, melhorar o funcionamento e inten­si­ficar as capacidades físicas. Para pessoas de todas as idades, a saúde de sistemas, tecidos e células melhora somente quando usados. Para a musculatura esquelética, isso significa que alterações e adaptações associadas ao treinamento ocorrem apenas naquelas unidades motoras empregadas num exercício. Cabe ressaltar que outros sistemas também se beneficiam do recrutamento das unidades motoras (como a tensão cardiovascular reduzida com aumento da força periférica). Idosos de todas as idades podem se beneficiar da realização de programas de treino resistido corretamente elaborados, sendo capazes de colocá-los em prática, inclusive homens e mulheres de idades bastante avançadas (ver Figura 11.1).

Ver todos os capítulos
Medium 9788580550771

23. Cabeça, Face, Olhos, Orelhas, Nariz e Garganta

William E. Prentice Grupo A PDF

23

Cabeça, Face, Olhos, Orelhas,

Nariz e Garganta

■ Objetivos

Ao terminar este capítulo, você deverá ser capaz de

• Propor um plano para ajudar a evitar ou ao menos minimizar a frequência de lesões na cabeça.

• Revisar a anatomia relacionada à cabeça.

• Estabelecer um processo sistemático de avaliação das concussões e lesões leves à cabeça.

• Tomar uma decisão informada a respeito do tratamento secundário e posterior das concussões relacionadas ao esporte, com base em uma apresentação abrangente das opções disponíveis.

■ Sumário

• Reconhecer a gravidade de diversas lesões na cabeça e estar ciente do período de tempo potencialmente necessário para a recuperação.

• Discutir o valor dos testes neuropsicológicos na determinação do estado de recuperação após a concussão.

• Ser capaz de identificar corretamente as várias lesões que podem ocorrer tanto na face quanto em olhos, orelhas, nariz e garganta.

■ Palavras-chave

Prevenção de lesões na cabeça, na face, em olhos, orelhas, nariz e garganta 787

lesão de golpe

Ver todos os capítulos
Medium 9788582713709

Treinamento de força

James C. Radcliffe Grupo A PDF

Treinamento funcional para atletas de todos os níveis 97

Treinamento de força

Bom dia

OBJETIVO: Melhorar o movimento do quadril, fortalecer os músculos da região lombar e isquiotibiais para arrancar, saltar e correr rápido.

POSIÇÃO INICIAL: Fique em pé com um haltere de peso leve a moderado na parte posterior dos seus ombros.

Mantenha os joelhos levemente flexionados e os pés mais próximos do que a largura do quadril.

Posição inicial

1

Imagine uma mesa colocada no meio de suas coxas. Flexionando na linha dos quadris e mantendo as costas arqueadas, coloque seu tórax sobre essa mesa imaginária. O centro de gravidade deve ficar sobre o dorso ou a porção média de seus pés, de modo que estejam em contato total com o solo. A forma apropriada irá lhe permitir sentir como se pudesse saltar de qualquer posição neste movimento.

2

Retorne para a posição inicial usando os músculos da região lombar e os isquiotibiais.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582603147

Capítulo 6 - Análise ergonômica do trabalho

Vanderlei Moraes Corrêa; Rosane Rosner Boletti Grupo A PDF

capítulo 6

Análise ergonômica do trabalho

Após conhecer todos os conceitos básicos de ergonomia, podemos abordar em detalhes o processo de intervenção ergonômica chamado de análise ergonômica do trabalho (AET). Este capítulo faz um apanhado geral sobre o método de análise ergonômica do trabalho, as análises de atividade, de demanda e de tarefa, bem como a elaboração do diagnóstico e suas recomendações. São tratados ainda o projeto de postos de trabalho e os sistemas de gestão.

Objetivos de aprendizagem s Explicar a importância da organização do trabalho para a prática ergonômica. s Definir o que é uma análise ergonômica do trabalho e listar as etapas de sua realização. s Analisar a atividade, a demanda e a tarefa segundo a AET. s Realizar diagnósticos ergonômicos. s Projetar postos de trabalho segundo a necessidade dos funcionários.

Organização do trabalho

Em geral, o trabalho é exercido em uma organização estabelecida, dividida em setores diversificados. Dependendo da empresa, os setores podem ser reduzidos, mas, na maioria dos casos, a empresa estabelecida conta ao menos com os seguintes departamentos: gestão de pessoas, planejamento, produção, vendas e distribuição.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos