109 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788522485598

22 Citações Diretas e Indiretas: Sistemas de Chamada (A NBR 10520:2002)

MEDEIROS, João Bosco Atlas PDF

22

Citações Diretas e Indiretas:

Sistemas de Chamada

(A NBR 10520:2002)

1 Redação

1.1 Introdução

Este capítulo expõe os elementos dos trabalhos acadêmicos, as monografias. Entre elas, citam-se a tese de doutorado, a dissertação de mestrado, o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).

Para a realização de um trabalho acadêmico, além do conhecimento da metodologia científica e de técnicas de pesquisa e redação, é necessário considerar as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Entre elas, sobressaem-se:

RR A NBR 10520:2002 – “Informação e documentação – Citações em documentos – Apresentação”. Essa norma é apresentada neste capítulo.

RR A NBR 14724:2011 – “Informação e documentação – Trabalhos acadêmicos – Apresentação”. Essa norma é vista neste capítulo.

RR A NBR 6023:2002 – “Informação e documentação – Referências – Elaboração”. Essa norma, que trata das referências bibliográficas e estabelece regras para compô-las, é vista pormenorizadamente no Capítulo 14.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522481576

Parte I - 1 COMUNICAÇÃO

ANDRADE, Maria Margarida de; HENRIQUES, Antonio Atlas PDF

1

COMUNICAÇÃO

Conceitos

Elementos da comunicação

Funções da linguagem

Simultaneidade e transitividade das funções da linguagem

Linguagem e comunicação

Língua oral e língua escrita

Níveis de linguagem

Exemplário – níveis de linguagem

Livro 1.indb 2

3/11/2009 18:11:57

Comunicação

3

Conceitos

Não existe uma única atividade humana que não seja afetada, ou que não dependa, de alguma forma, da comunicação. Tão relevante é o papel da comunicação humana no mundo moderno, que seu estudo deveria merecer especial atenção. Ocorre, contudo, que a necessidade de estudar as múltiplas formas de comunicação só muito recentemente vem sendo reconhecida. Efetivamente, para que se aprenda a comunicar adequadamente, com clareza e eficiência, torna-se indispensável o conhecimento de algumas noções fundamentais sobre o assunto.

A palavra comunicar vem do latim communicare, que significa pôr em comum.

Depreende-se daí que a essência da palavra comunicar está associada à ideia de convivência, comunidade, relação de grupo, sociedade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522481590

Parte III - 18 Organização do Trabalho da Secretária

MEDEIROS, João Bosco; HERNANDES, Sonia Atlas PDF

18

Organização do Trabalho da Secretária

1 Introdução

Segundo Nivaldo Maranhão Faria (1984), há algumas técnicas de organização do trabalho que têm proporcionado vantagens enormes aos administradores.

São elas: o definição dos objetivos a alcançar; o divisão da empresa em departamentos (daí resultando a estrutura de poder); o coordenação das várias partes envolvidas no processo produtivo; o delegação de autoridade; o supervisão; o assessoria.

É necessário ter presente três princípios básicos: o Objetivo: deve ser claramente estabelecido de modo que seja compreendido. o Autoridade: a cada pessoa deve-se atribuir autoridade correspondente. Jamais uma pessoa deverá receber ordens de vários gerentes. o Subordinação: cada pessoa precisa saber de quem deve receber ordens.

A organização do trabalho também compreende o conhecimento dos propósitos da organização, de suas dependências, de seu modo de produzir, das técnicas que emprega.

Em geral, as empresas esperam de suas secretárias: consciência de seus deveres, dedicação ao trabalho, equilíbrio emocional para bem desempenharem tarefas, que sejam dignas de confiança, que saibam delegar tarefas quando necessário, que saibam resolver conflitos entre colegas de trabalho, que sejam capazes de trabalhar em grupo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521630821

F

PIMENTA, Reinaldo LTC PDF

F

Fagulha

É um caso de diminutivo cumulativo. Fagulha veio do latim facucula, diminutivo de facula, tocha pequena, que já era um diminutivo, de fax, tocha, luz.

Ou seja, para os romanos, facucula era uma “tochinhazinha” e poderia até ser o nome do fósforo, se já o conhecessem.

Falar pelos cotovelos

Existem chatos e superchatos. Chatos são os que falam sem parar. Superchatos são os que falam sem parar, com a chatice aditivada pelo expediente de ficar o tempo todo cutucando, com os cotovelos, o pobre do ouvinte para mantê-lo acordado e atento. Pois é, a expressão é um legado do superchato, o sugador da alma alheia.

Fanta

Redução de fantasie, fantasia.

A marca apareceu pela primeira vez na Alemanha, na Segunda Guerra Mundial. Naqueles dias de tantas privações e de escassos recursos para o consumo do trivial diário, só com muita fantasia e criatividade é que foi possível produzir uma bebida nova de sabor atraente.

Farol

Alexandre, o Grande, rei da Macedônia, fundou, em 332 a.C., a cidade que modestamente chamou de Alexandria (norte da África). Para torná-la um dos maiores portos do mundo, Alexandre mandou construir, com grandes pedras, um píer que ligasse a cidade à ilha de Pharos, a mais ou menos 1,5 km de distância.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522485598

26 Dissertações Científicas

MEDEIROS, João Bosco Atlas PDF

26

Dissertações Científicas

1 Redação

1.1 Conceito de dissertação

Define-se texto dissertativo como tipo de discurso em que se faz exposição de ideias; em que o emissor expõe seus pensamentos sobre um assunto.

Tipo de texto que interpreta e analisa, por meio de conceitos abstratos, dados da realidade. As características principais da dissertação são: é um conjunto de juízos sobre um assunto; é própria de temas abstratos, de textos críticos, de teses, da explanação de uma argumentação. Um texto dissertativo deve oferecer ao leitor um tratamento novo do assunto, apresentar observações, reflexões, avaliação. Seu desenvolvimento implica a análise de fatos apresentados, bem como sua discussão e argumentação. Nesse tipo de texto, o emissor expõe ideias, discorre sobre determinado assunto, argumenta. Exige aprimoramento intelectual, como conhecimento do assunto, prática do raciocínio e clareza de expressão.

As dissertações envolvem exposição de pontos de vista, argumentos, que visam convencer, ou dar a conhecer o resultado de uma pesquisa, de um estudo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788502051485

Capítulo XV - OS IMPERADORES: DE CAIO CALÍGULA ATÉ ANTONINO

Gonçalves Jr., Jerson Carneiro Editora Saraiva PDF

222

Da Grandeza dos Romanos e da sua Decadência

Capítulo XV

OS IMPERADORES:

DE CAIO CALÍGULA ATÉ ANTONINO390

1. Calígula391

A) Calígula sucedeu a Tibério. Dele dizia-se nunca tinha havido melhor escravo, nem pior senhor. As duas coisas estão muito ligadas, pois a mesma disposição de espírito que fez que ficássemos vivamente chocados com o poder ilimitado daquele que manda, faz que também fiquemos chocados quando passamos a mandar.

Calígula restabeleceua os comícios392, que Tibério havia extinto, e aboliu aquele crime arbitrário de lesa-majestade que ele estabelecera. Por onde pode ver-se que o começo do reinado dos maus príncipes muitas vezes é como o final do reinado dos bons. Porque os maus, só para contradizerem a conduta dos

390. O título do Capítulo está como no original. Para maior clareza, dividimos o Capítulo em itens, com respectivos subtítulos. Linhas pontilhadas: v. Anexo. As notas de Montesquieu estão indicadas no texto alfabeticamente, e acham-se no Anexo.

No que respeita ao Império, seu imobilismo político e seu declínio progressivo e inexorável reportamo-nos à Introd., Caps. 7 e 8.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522485598

2 Noções sobre Texto

MEDEIROS, João Bosco Atlas PDF

2

Noções sobre Texto

1 Redação

1.1 Conceito de texto

Texto é um tecido verbal estruturado de tal modo que as ideias formam um todo coeso, uno, coerente. Todas as partes devem estar interligadas e manifestar um direcionamento único. Assim, um fragmento que trata de diversos assuntos não pode ser considerado texto. Da mesma forma, se lhe falta coerência, se as ideias são contraditórias, também não se constitui texto. Se os elementos da frase que possibilitam a transição de uma ideia para outra não estabelecem coesão entre as partes expostas, o fragmento não se configura um texto. Essas três qualidades – unidade, coerência e coesão – são essenciais para a existência de um texto. Veja-se um exemplo:

O carnaval carioca é uma beleza, mas mascara, com o seu luxo, a miséria social, o caos político, o desequilíbrio que se estabelece entre o morro e a Sapucaí. Embora todos possam reconhecer os méritos de artistas plásticos que ali trabalham, o povo samba na avenida como herói de uma grande jornada. E acrescente-se: há manifestação em prol de processos judiciais contra costumes que ofendem a moral e agridem a religiosidade popular. O carnaval carioca, porque se afasta de sua tradição, está tornando-se desgracioso, disforme, feio.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522481590

Parte I - 5 Como Escrever Relatórios

MEDEIROS, João Bosco; HERNANDES, Sonia Atlas PDF

5

Como Escrever Relatórios

1 Comunicações internas e externas

A organização de uma empresa depende basicamente do fluxo de informações relacionadas com as pessoas, interna e externamente, e sobre ela. A comunicação interna permite à empresa ter consciência de si mesma, adaptar-se ao ambiente. A comunicação externa permite a realização de negócios.

Uma empresa, para ser eficaz, depende de seus padrões de comunicação atuais ou passados, tanto internos como externos.

A comunicação externa é realizada da empresa para fora e vice-versa.

O sucesso de uma empresa depende em grande parte das transações de comunicação que deve haver entre seus membros e dos membros com o ambiente externo.

O administrador que não transmite informações, que não comunica seus objetivos a seus subordinados, que não avalia a efetividade de sua comunicação não pode esperar desempenho positivo de sua empresa. A secretária deve auxiliá-lo nesta tarefa de busca e transmissão de informações. E a ela compete manifestar sempre interesse pela compreensão dos objetivos da empresa. Quando estes não forem explícitos, deverá procurar, através do diálogo, descobrir para onde a empresa está indo e ajudar seu executivo a manifestar-se claramente.

Ver todos os capítulos
Medium 9788502051485

Capítulo VI - A CONDUTA QUE TIVERAM OS ROMANOS PARA SUBMETER TODOS OS POVOS

Gonçalves Jr., Jerson Carneiro Editora Saraiva PDF

140

Da Grandeza dos Romanos e da sua Decadência

Capítulo VI

A CONDUTA QUE TIVERAM OS ROMANOS

PARA SUBMETER TODOS OS POVOS178

1. Máximas dos Romanos179

A) No curso de tanta prosperidade, quando normalmente se relaxa, o Senado agia sempre com a mesma profundidade. E,

178. O título está como no original. Dividimos o Capítulo em dois itens.

O primeiro contém as máximas, i.e., diretrizes, normas, costumes que os Romanos seguiam e impunham no trato com os outros povos.

Indicamo-las alfabeticamente.

No segundo item, Montesquieu expõe a meta global, a que tendem essas máximas. É a dominação violenta e solerte do mundo. De todos os povos. Diz o título do Capítulo: “soumettre tous les peuples”.

V. a fala de Tibério Graco (nota 73). Linhas pontilhadas: v. Anexo. As notas de Montesquieu estão indicadas por letras no texto, e acham-se no Anexo.

Esse estudo da política externa de Roma, o leitor o compreende perfeitamente, por já conhecer a expansão romana (Capítulo V — nota 118). V. Introd., Cap. 4.

Pode supor-se seja o Capítulo XVIII a exposição de novas máximas ou diretrizes políticas de Roma, adotadas no final do Império.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522481590

Parte IV - 21 Formação Educacional, Regulamentação da Profissão e Código de Ética

MEDEIROS, João Bosco; HERNANDES, Sonia Atlas PDF

21

Formação Educacional,

Regulamentação da Profissão e Código de Ética

1 Formação geral

Nossos tempos são marcados pela necessidade de preparação e estudo constante. Permanecerão empregadas apenas as pessoas que acenam com possibilidades de progresso profissional.

As empresas conhecem hoje o dilema da competitividade. A sobrevivência delas depende da capacidade de seus profissionais, que trabalham em equipe, ajudando-se mutuamente. A secretária funciona não apenas como elo de ligação entre profissionais, mas também como parceira. E a parceria exige sobretudo confiança, objetivos comuns, competência. O executivo necessita de sua ajuda, e ela precisa ser competente para poder auxiliá-lo.

No Brasil, são antigos os cursos de formação de técnicos em secretariado. Com a chegada, porém, das multinacionais e o desenvolvimento do parque industrial brasileiro, foi necessário preparar muito melhor profissionais para o mercado de trabalho.

As secretárias conquistaram, a partir da década de 70, os primeiros cursos de 3º grau de secretariado. Em 30 de setembro de 1985, o Presidente José Sarney assinou a Lei nº 7.377, que regulamentou a profissão. Em 7-7-89, foi publicado no Diário Oficial da

Ver todos os capítulos
Medium 9788522485598

4 Relatórios Administrativos

MEDEIROS, João Bosco Atlas PDF

4

Relatórios Administrativos

1 Redação

1.1 Conceito de relatório administrativo

Relatórios administrativos são comunicações produzidas pelos membros de uma organização, desde que requeridas ou utilizadas pelos administradores.

Eles podem ser uma simples carta ou memorando ou, ainda, uma conferência, um quadro, um gráfico, uma tabela. Se o relato do fato ocorrer em conversa, o relatório administrativo será oral.

Um relatório para a tomada de decisão pode exigir elaboração apurada e pesquisa meticulosa. É talvez aqui que alguns redatores de relatórios falham: não se interessam pela pesquisa.

Saber onde estão as informações e saber como pesquisá-las é recurso que não se pode desconsiderar.

O primeiro passo é, portanto, conhecer a localização das fontes de informação:

RR Conhece o endereço da biblioteca municipal?

RR Da biblioteca do bairro?

RR Da faculdade?

RR Do colégio?

RR Conhece o arquivo do jornal da cidade?

Ver todos os capítulos
Medium 9788502051485

Capítulo XVII - MODIFICAÇÃO DO ESTADO

Gonçalves Jr., Jerson Carneiro Editora Saraiva PDF

249

Capítulo XVII

MODIFICAÇÃO DO ESTADO436

1. Modificação do Governo437

Os Imperadores, para prevenir as contínuas traições dos soldados, se associaram pessoas em que confiavam, e Diocle436. O título do Capítulo está como no original. Para maior clareza, subdividimos o Capítulo em itens, com respectivos subtítulos. As notas de Montesquieu estão indicadas no texto com letras, e achamse no Anexo.

Montesquieu, note-se bem, emprega Estado aqui e alhures (notas 24,

28, 60, 79a, 216, 317, 394 e 425a), sempre na acepção clássica. Acepção clássica e ainda atual em Política e Direito Constitucional: é um Povo ocupando determinado Território e com um Governo Soberano.

Neste Capítulo, no item 1, Montesquieu focaliza como o Governo foi alterado; e, no item 2, como o Território bipartiu-se, e como, construída Constantinopla, também se repartiu o Povo.

Destarte o Império Romano, afetado nos seus três elementos componentes, alterado na sua estrutura mesma, deu origem a dois Estados novos: Roma, o Império do Ocidente; e Constantinopla, o Império do Oriente. V. notas 437, 440 e 443.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522485598

7 Ata

MEDEIROS, João Bosco Atlas PDF

7

Ata

1 Redação

1.1 Ata

Conceitualmente, define-se ata como um registro em que se relata o que se passou numa reunião, assembleia ou convenção. Daí as várias espécies: ata de assembleia geral extraordinária, de assembleia geral ordinária, ata de condomínio. É, portanto, um relatório pormenorizado de tudo o que se passou em uma reunião.

Uma de suas particularidades é que a ata deve ser assinada em alguns casos pelos participantes da reunião (conforme estatuto da empresa), e pelo presidente ou secretário, sempre. Para sua lavratura, devem ser observadas as seguintes normas:

RR Lavrar a ata em livro próprio ou em folhas soltas. Deve ser lavrada de tal modo que impossibilite a introdução de modificações.

RR Sintetizar de maneira clara e precisa as ocorrências verificadas.

RR O texto será digitado, datilografado ou manuscrito, mas sem rasuras.

RR O texto será compacto, sem parágrafos ou com parágrafos numerados, mas não se fará uso de alíneas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522485598

20 Texto Expositivo-Argumentativo

MEDEIROS, João Bosco Atlas PDF

20

Texto

Expositivo-Argumentativo

1 Redação

1.1 Conceito de parágrafo argumentativo

Narração, descrição e dissertação são modalidades discursivas que em geral não se apresentam de forma pura. Elementos de uma e outra modalidade misturam-se no texto, podendo-se afirmar que há dominância de uma forma sobre outra. No discurso dissertativo, por exemplo, prevalecem a exposição de ideias e a apresentação de argumentos, mas não significa que nele não haja partes narrativas e descritivas.

Já foi apresentado neste livro que a dissertação é um tipo de discurso que veicula ideias, debates de pontos de vista, defesa de posições ou ataques a elas.

Um parágrafo argumentativo caracteriza-se como aquele em que há exposição de um raciocínio por meio do qual se tira uma consequência. Argumentar é demonstrar ou refutar uma ideia.

Chama-se argumento qualquer espécie de raciocínio formalizado e expresso. O raciocínio tanto pode ser dedutivo, como indutivo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788502051485

Capítulo I - I — PRIMÓRDIOS DE ROMA. II — SUAS GUERRAS

Gonçalves Jr., Jerson Carneiro Editora Saraiva PDF

85

Capítulo I

I — PRIMÓRDIOS DE ROMA.

II — SUAS GUERRAS1

1. Monarquia2

É preciso não fazer da cidade de Roma, nos seus primórdios, a idéia que nos dão as cidades que vemos hoje, a me-

1. O título do Capítulo está como no original. Montesquieu, como sempre, não subdividiu o Capítulo. Subdividimo-lo, para maior clareza, em itens, com respectivos subtítulos. Linhas pontilhadas: v.

Anexo.

As notas de Montesquieu estão indicadas no texto alfabeticamente e acham-se no Anexo.

Neste Capítulo, Montesquieu assinala alguns fatos marcantes da alta Antiguidade romana, porém no seu título só destaca as guerras.

Aí está a primeira aplicação da técnica de exposição de Montesquieu: numa exposição geral ele ressalta um fato por ser o mais importante, mas não encarece tal circunstância como se desejaria.

Essa técnica ele a segue nos capítulos seguintes. Muitas vezes um capítulo é mero complemento do anterior; nele Montesquieu focaliza um fato que é o culminante da exposição geral contida no capítulo precedente. Ao anotar os títulos dos próximos capítulos, indicaremos essa seqüência expositiva.

Ver todos os capítulos

Carregar mais