12367 capítulos
Medium 9788527732666

3 - Teorias de Enfermagem e SAE

CHANES, Marcelo Grupo Gen PDF

3

Teorias de Enfermagem e SAE

Ana Cristina de Sá  •  Lucio Henrique D’avila Moreira  •

Rosângela Gonçalves da Silva

Objetivos deste capítulo

• Conceituar Teoria de Enfermagem e seus constructos

• Compreender a escolha e a aplicação de uma Teoria de Enfermagem como base para a Sistematização da Assistência de Enfermagem.

Palavras-chave: Teoria de Enfermagem, holismo e sistemas, significado da profissão, visão de mundo.

Etapa da SAE: 1.

Etapa do PE: 1.

Teoria de Enfermagem e aplicação da SAE

Deve-se utilizar uma Teoria de Enfermagem como embasamento para aplicação da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) porque não há método científico que não tenha sido teorizado anteriormente para ser colocado em prática. Portanto, a SAE, como método científico de trabalho na Enfermagem, precisa ter como sustentação uma Teoria de Enfermagem.

A teorização é necessária para construir um corpo de saberes próprios para todas as áreas do conhecimento humano, e isso não é diferente na

Ver todos os capítulos
Medium 9788527732666

8 - Planejamento de Intervenções e Prescrições

CHANES, Marcelo Grupo Gen PDF

8

Planejamento de

Intervenções e

Prescrições

Marcelo Chanes

Objetivos deste capítulo

• Conceituar Intervenções de Enfermagem

• Conceituar Prescrições de Enfermagem

• Conhecer a relação das intervenções e prescrições com os diagnósticos de Enfermagem

• Compreender como o Diagnóstico de Enfermagem serve de base para o planejamento de intervenções e prescrições.

Palavras-chave: planejamento de intervenções, prescrição, insumos, pessoas, métodos, tempo, identidade.

Planejamento de Intervenções, etapa do PE: 7.

Prescrições, etapa do PE: 8.

Intervenções de Enfermagem

A execução do cuidado é a grande premissa da Enfermagem, pois reflete o planejamento daquilo que será feito ao papel complementar, evidenciando, assim, a autonomia, a responsabilidade e, portanto, a identidade do enfermeiro.

Uma Intervenção de Enfermagem (IE) é definida como qualquer tratamento com base clínica que pode ser rea­li­zado pela Enfermagem para melhorar ou alcançar metas e resultados.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527732666

5 - Coleta de Dados

CHANES, Marcelo Grupo Gen PDF

5

Coleta de Dados

Marcelo Chanes

Objetivos deste capítulo

• Conceituar coleta de dados

• Conhecer as ferramentas de coleta de dados

• Conhecer as fontes e os tipos de dados coletados

• Realizar a construção de um foco diagnóstico.

Palavras-chave: coleta de dados, histórico de Enfermagem, exame físico, fontes de dados, dados objetivos, dados subjetivos, sinais, sintomas e verbalizações.

Etapa da SAE: 2.

Etapa do PE: 2.

Definição

A coleta de dados é composta pelo histórico e pelo exame físico (passos

2 e 3 do Processo de Enfermagem – PE), sendo um processo sistemático e intencional para obter dados relevantes das condições do paciente e de sua família ou comunidade. A partir desses dados, o enfermeiro pode avaliar, correlacionar e agrupar informações, às quais, com base em seu conhecimento, atribuirá uma importância. Assim, os dados se transformarão em informação e darão respaldo ao enfermeiro para as fases seguintes.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527732666

12 - SAE como Base para a Atuação Interdisciplinar do Enfermeiro

CHANES, Marcelo Grupo Gen PDF

12

Modelo de Prática

Clínica Bifocal *

Lynda Juall Carpenito, RN, MSN, CRFP, FNI

Introdução

Em 1973, foi realizada em St. Louis, Missoury, EUA, a primeira conferência sobre Diagnóstico de Enfermagem (DE), a fim de identificar o novo conhecimento da área e estabelecer um sistema de classificação adequado para os meios eletrônicos. A partir dessa conferência, foi criado o Grupo Nacional para a Classificação dos Diagnósticos de

Enfermagem.

A autora começou uma relação com o DE na conferência seguinte, em 1975. Na quinta conferência nacional nos EUA, a organização mudou o nome para North American Nursing Diagnostic Association; depois, ela foi denominada North American Nursing Diagnostic Association – International (NANDA-I). A classificação das atividades na

NANDA-I foi instrumental ao definir o conjunto exclusivo de conhecimento de Enfermagem.

Sem uma terminologia padrão, é difícil:

• Definir as responsabilidades da profissão

Ver todos os capítulos
Medium 9788527732666

9 - Implementação da SAE

CHANES, Marcelo Grupo Gen PDF

9

Implementação da SAE

Marcelo Chanes

Objetivos deste capítulo

• Correlacionar as fases da Sistematização da Assistência de Enfermagem com a implementação eficaz

• Descrever a abordagem do enfermeiro no processo de implementação

• Descrever as abordagens documentais da fase de implementação.

Palavras-chave: implementação, cuidado, documentação.

Implementação de Enfermagem

A implementação é a fase na qual o enfermeiro rea­li­za ou delega os cuidados necessários para alcançar os resultados dos pacientes, formada por um tripé, como mostra a Figura 9.1.

Implementação do cuidado

Realizar

Delegar

Documentar

Figura 9.1 Tripé da implementação do cuidado.

09_Capitulo_Chanes_SAE_descomplicada.indd 95

12/4/17 9:36 AM

96  SAE Descomplicada

Etapas centrais

A implementação do cuidado perpassa a Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) de maneira clara, pois a SAE decide se o estabelecimento assistencial de saú­de (EAS) possui pessoas, métodos e insumos, incluindo tempo para a rea­li­zação do cuidado.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos