1740 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788502081543

13 Concordância nominal

Petri, Maria José Constantino Editora Saraiva PDF

13 capítulo

Concordância nominal

Vimos que o verbo precisa concordar com o sujeito em número (singular e plural) e em pessoa (1ª, 2ª e 3ª). Na oração, os termos que acompanham ou modificam os substantivos, não importa a função que esses substantivos exerçam, também devem concordar com eles, agora em gênero (masculino e feminino) e número (singular e plural). É sobre essa concordância que trataremos.

Observe:

1) a) O homem sábio vive melhor. b) Os homens sábios vivem melhor.

Temos um só adjetivo, modificando um só substantivo. Quando isso ocorre, o adjetivo concorda em gênero e número com o substantivo.

2) a) pai e mãe cuidadosos ou pai e mãe cuidadosa b) remédio e substâncias contraindicados ou remédio e substâncias contraindicadas c) esforço, empenho e dedicação extremos ou esforço, empenho e dedicação extrema

Temos vários substantivos de gêneros diferentes e um só adjetivo modificando-os; o adjetivo vai para o masculino plural ou concorda com o mais próximo.

195

13_Cap 13_Manual de Linguagem Jurídica.indd 195

Ver todos os capítulos
Medium 9788530966898

XII. CAUSALIDADE E IMPUTAÇÃO OBJETIVA

JAPIASSÚ, Carlos; SOUZA, Artur Grupo Gen PDF

TÍTULO

CAPÍTULO

IIII

TEORIA

GERAL

DO CRIME

XII

CAUSALIDADE

E IM PUTAÇÃO

OB JE TIVA

12.1. CONSIDERAÇõES GERAIS

N

isto é, naqueles em que o momento consumativo depende da superveniência de um resultado exterior à ação, deve-se estabelecer a relação da causalidade entre a ação e o resultado. Tal resultado integra a descrição da conduta proibida e dele depende a tipicidade.

A questão de nexo causal não tem mais hoje a amplitude e a significação que lhe atribuíram os juristas que, no século XIX, introduziram-na na doutrina, elevando-a à condição de categoria fundamental na estrutura do delito. A questão do nexo causal somente surge nos crimes materiais, dela não se cogitando nos crimes omissivos puros e nos crimes de simples atividade. A relevância da matéria reside no fato de constituir, a causalidade, limitação à responsabilidade penal.

Para determinar quando é possível dizer que o agente deu causa ao resultado, com seu comportamento, surgiram diversas teorias. o s crime s materiais ,

Ver todos os capítulos
Medium 9788530968380

CAPÍTULO 9 – PROBABILIDADE

VILLAR, Bruno Grupo Gen PDF

9

PROBABILIDADE

9.1. INTRODUÇÃO

O estudo probabilístico tem como finalidade estudar um experimento aleatório. Entende-se como experimento aleatório todo experimento que pode ser repetido diversas vezes, sempre nas mesmas condições, e apresenta resultados equiprováveis, ou seja, resultados que possuem a mesma chance de ocorrência.

9.2. CONCEITOS INICIAIS

9.2.1. Experimento aleatório

É aquele experimento que, quando repetido em iguais condições, pode fornecer resultados diferentes, ou seja, são resultados explicados ao acaso. Quando se fala de tempo e possibilidades de ganho na loteria, a abordagem envolve cálculo de experimento aleatório.

9.2.2. Espaço amostral (E) – Definição

É o conjunto de todos os possíveis resultados de um experimento aleatório.

D

Exemplo:

Espaço amostral da moeda: {cara, coroa}.

Espaço amostral do baralho: {52 cartas}.

RACIOCÍNIO LÓGICO FACILITADO – Bruno Villar

400

9.2.3. Evento

Ver todos os capítulos
Medium 9788530972349

2 - Informações Complementares sobre Contribuições e Benefícios Previdenciários

CASTRO, Carlos Alberto Pereira de; LAZZARI, João Batista Grupo Gen PDF

2

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

SOBRE CONTRIBUIÇÕES E BENEFÍCIOS

PREVIDENCIÁRIOS 

Sumário:

Códigos de Interpretação dos Benefícios Concedidos pelo INSS................................. 479

Benefícios de Prestação Continuada da Previdência Social Brasileira.................. 479

Tabelas de Contribuições Mensais............................................................................................ 481

Benefícios (Portaria MTPS/MF 1/2016).................................................................................... 482

Fator Previdenciário 2014 (Tabela IBGE 2012)...................................................................... 483

Fator Previdenciário 2015 (Tabela IBGE 2013)...................................................................... 484

Fator Previdenciário 2016 (Tabela IBGE 2014)...................................................................... 486

Direito_Previdenciario.indb 477

18/07/2016 13:55:47

Ver todos os capítulos
Medium 9788530965723

Capítulo 10 - Relação Financeira entre Taxa Real e Taxa Aparente

MARIANO, Fabrício Grupo Gen PDF

Capítulo 10

Relação Financeira entre

Taxa Real e Taxa Aparente

10.1. Introdução

Em modelos mais simples, em que não é dada a visão contábil do financiamento, vamos correlacionar as taxas. A taxa aparente é também dita taxa nominal, e a taxa real corresponde à taxa efetivamente cobrada. No modelo a seguir, iremos considerar no período a taxa de inflação, e temos como objetivo calcular a taxa real.

10.2. Fórmula geral

Existe uma relação geral entre as taxas cobradas, pode-se demonstrar que:

(1 + IR) (1 + Ii) = (1 + Ia)

Onde:

Ia = taxa aparente

Ii = taxa de inflação

IR = taxa real

Obs.: As taxas de inflação, real e aparente podem ser calculadas também pelo conceito de rentabilidade, necessitando para isso que seja feito o fluxo de caixa e o ajuste da data focal. (Ver Seção 10.4, exercícios resolvidos 1 e 2.)

10.3. Taxa aparente x taxa real (truques do mercado)

Você conhece o dito popular “comprar gato por lebre”. Significa levar um produto diferente daquilo que você quer. Isso é muito comum em nosso mercado.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530966577

Capítulo 1 – RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS

CASTRO, Luciana Grupo Gen PDF

1

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO

DE PESSOAS

1.

(AOCP/EBSERH-HC-UFMG/2014) “O mercado de recursos humanos é o conjunto de candidatos reais ou potenciais que existe em uma determinada comunidade ou região”. Assinale a alternativa que corresponde ao significado do termo “candidatos potenciais”.

(A) Candidatos que estão à procura de emprego.

(B) Candidatos que estão trabalhando.

(C) Candidatos que almejam cargos executivos.

(D) Excesso de candidatos.

(E) Escassez de candidatos

2.

(QUESTÃO PROPOSTA) A etapa inicial que deverá ser estabelecida no planejamento do recrutamento de pessoas é:

(A) o preparo de formulário de requisição de pessoal e sua distribuição nas agências de emprego.

(B) o anúncio de emprego em jornal de grande circulação.

(C) o envolvimento do mercado de recursos humanos como um todo.

(D) a manutenção do cadastro de empregos atualizado.

(E) a definição das necessidades de pessoal e o diagnóstico das fontes específicas supridoras de recursos humanos, localizadas no mercado.

Ver todos os capítulos
Medium 9788502110045

Parte I – Teoria Geral da Constituição

Nogueira, Christiane Vieira Editora Saraiva PDF

Parte I – Teoria Geral da Constituição capítulo

1

Constitucionalismo

É o movimento jurídico-político que objetiva a construção de sistemas constitucionais, os quais têm como conteúdo a limitação do poder e a garantia de direitos fundamentais e são descritos numa Constituição.

André Ramos Tavares aponta pelo menos quatro acepções para o termo:

1) movimento político-social que pretende limitar o poder arbitrário;

2) imposição de que haja cartas constitucionais escritas;

3) propósitos mais latentes e atuais da função e posição das constituições nas diversas sociedades;

4) evolução histórico-constitucional de determinado Estado.

Destaca também o aspecto sociológico do constitucionalismo, presente na movimentação social que confere a base de sustentação dessa limitação do poder e expõe um amplo retrospecto histórico sobre o tema1.

Com base nas características apontadas anteriormente, pode-se dizer que o constitucionalismo nasceu com o Estado Moderno, estruturando-se com as revoluções burguesas – Independência Americana, em 1776, e Revolução Francesa, em 1789 – e identificando-se com a ideologia liberal, em oposição ao absolutismo. Entretanto, apontam-se, em outros momentos históricos, marcas embrionárias desse fenômeno, especialmente na Magna

Ver todos os capítulos
Medium 9788530974336

PARTE VI - Capítulo XXI – Exame da OAB nacional unificado XX (Reaplicação Porto Velho – RO)

STUCHI, Victor Hugo Nazário Grupo Gen PDF

Capítulo XXI

Exame da OAB nacional unificado XX

(Reaplicação Porto Velho – RO)

Perguntas

QUESTÃO 01

Plínio trabalhou durante todo o ano de 2014 até o mês de abril de 2015 na sociedade empresária Bom Lucro Ltda., a qual tinha acordo coletivo prevendo o pagamento de participação nos lucros ao final de cada ano, no mês de dezembro, em valor fixo, desde que o empregado trabalhasse ao longo de todo o ano. Plínio, que não recebeu nenhuma participação nos lucros durante todo o contrato de trabalho, foi dispensado imotivadamente. Sobre o caso apresentado, responda aos itens a seguir.

A) Esclareça a que parcelas relativas à participação nos lucros Plínio faz jus.

B) Esclareça se os valores relativos à participação nos lucros devem integrar a remuneração de Plínio.

QUESTÃO 02

Maura foi empregada doméstica durante cinco anos na residência da família Pedrosa.

Ao ser dispensada, ela ajuizou reclamação trabalhista, a qual foi julgada procedente, tendo o pedido transitado em julgado. Iniciada a execução, não foi encontrado qualquer bem que pudesse satisfazer o débito total ou parcialmente, exceto o imóvel de residência da família Pedrosa. Requerida a penhora do mesmo, o pedido foi deferido pelo juiz ao julgar improcedentes os embargos à execução opostos por você, advogado(a) da família Pedrosa. Na qualidade de advogado da família Pedrosa, responda aos itens a seguir.

Ver todos os capítulos
Medium 9788502146532

LEITURA FUNDAMENTAL: instruções para a prova

Knijnik, Eduardo Editora Saraiva PDF

LEITURA FUNDAMENTAL: instruções para a prova

Destacamos, a partir das orientações da FGV no caderno de prova prático-profissional e do Provimento 144 da OAB, independentemente da disciplina escolhida, pontos importantes que você deve observar nessa etapa:

•  A prova prático-profissional valerá 10,00 (dez) pontos e será composta de duas partes:

– 1ª parte: Redação de peça profissional, valendo 5,00 (cinco) pontos, acerca de tema da área jurídica de opção do examinando e do seu correspondente direito processual, indicada quando da sua inscrição, conforme as opções a seguir: a) Direito Administrativo; b) Direito Civil; c) Direito Constitucional; d) Direito do

Trabalho; e) Direito Empresarial; f) Direito Penal; ou g) Direito

Tributário.

– 2ª parte: Respostas a 4 (quatro) questões práticas, sob a forma de situações-problema, valendo, no máximo, 1,25 (um e vinte e cinco) pontos cada, relativas à área de opção do examinando e do seu correspondente direito processual, indicada quando da sua inscrição, conforme as opções citadas no subitem anterior.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530976583

Capítulo 8 – O que eu aprendi com as reprovações

ALMEIDA, Isabella Grupo Gen PDF

Capítulo 

8

O que eu aprendi com as reprovações

Concurso Público_IsabellaAlmeida_617000.indb 185

06/06/2017 15:22:43

Concurso Público_IsabellaAlmeida_617000.indb 186

06/06/2017 15:22:43

Sumário: 8.1. É o momento de verificar o que não deu certo – 8.2. Seja humilde. Você nunca sabe o suficiente – 8.3. cada concurso prestado é uma nova experiência – 8.4. não fique no meio do caminho, já tem muita gente por lá! – 8.5. informações importantes do capítulo 8.

Concurso Público_IsabellaAlmeida_617000.indb 187

06/06/2017 15:22:43

ações fazem os as reprov nd sa ur nc co que posso maioria dos ouquíssimas

(p as so

Para a grande es p ncurso que conheço primeiro co etória. Até no aj tr s a da d a, va te ro par a caminhad foram ap dedos) que zem parte d s fa no es o ar

çõ e nt va nc co e alca as repro ação para qu

Entretanto, tu

. si am sa ar es st m re p lidar co aprender a e você deve ejado. objetivo alm

Ver todos os capítulos
Medium 9788530972264

PARTE II | Capítulo 3 – Regência Verbal e Nominal

RAMAL, Andrea Grupo Gen PDF

94

REDAÇÃO EXCELENTE | Para Enem e Vestibulares

Capítulo 3 – Regência Verbal e Nominal

3.1. Regência verbal

A regência verbal é a relação de subordinação entre o verbo e seus complementos. É importante compreendê-la para estabelecer relações entre as palavras e, assim, conseguir que elas expressem o sentido pretendido.

Redacao_Excelente_2ed.indb 94

13/07/2016 08:48:12

Parte II – Os sete pecados capitais

95

O futuro do país

pertence

Termo regente

ao povo.

Termo regido

De maneira informal costuma-se dizer que os verbos podem “pedir” ou “não pedir” uma preposição ao se ligar com seus complementos (ou seja, eles podem ser verbos intransitivos, transitivos diretos, indiretos, diretos e indiretos).

https://youtu.be/nWa4u9ithqU

Há casos de regência verbal que merecem especial atenção:

CASO

ATENDER

EXPLICAÇÃO

CERTO

ERRADO

Pode ser intransitivo.

Quando a imprensa telefonou para a prefeitura, ninguém atendeu.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530971052

Capítulo 17 - Entendimentos do Supremo Tribunal Federal

EDUARDO, Italo Romano; EDUARDO, Jeane Tavares Aragão Grupo Gen PDF

Capítulo 17

Entendimentos do

Supremo Tribunal Federal

Neste capítulo, explicaremos, brevemente, de que forma o Supremo Tribunal

Federal (STF) interpreta determinados dispositivos da nossa Carta Magna, que tratam de contribuições sociais.

1) Posição do STF. A instituição de contribuições para a seguridade social já previstas no texto constitucional será feita por lei ordinária. Entretanto, no caso de novas contribuições, haverá necessidade da edição de lei complementar, pois elas serão criadas com base na competência residual da União.

As contribuições sociais cujos fatos geradores estão previstos na Constituição Federal podem ser instituídas por meio de lei ordinária. Entretanto, novas fontes de custeio da seguridade social não mencionadas no corpo do texto constitucional somente serão criadas por intermédio da competência residual da União, e para isso se faz necessária a edição de lei complementar federal, em consonância com o art. 195, § 4º, da Constituição Federal.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530971809

I. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO ECONÔMICO

MASSO, Fabiano Del Grupo Gen PDF

INTRODUÇÃO AO ESTUDO

DO DIREITO ECONÔMICO

Assista à

Introdução ao tema deste Capítulo

http://youtu.be/O7mo1WOHnGM

1.1. DIREITO ECONÔMICO

O direito econômico surge como uma recente disciplina acadêmica nos cursos de graduação em Direito. Entretanto, o objeto hoje estudado pelo reconhecido direito econômico não passou a existir somente agora.

Dessa maneira, o surgimento do direito econômico resulta do tratamento jurídico conferido a uma nova organização das disciplinas jurídicas, na qual, uma boa parte dos temas, antes inseridos nos currículos de direito constitucional, administrativo, financeiro, penal, empresarial, entre outros, agora compõem uma disciplina que possui a particularidade de cuidar, sobretudo, da intervenção do Estado no domínio econômico, ou seja, os parâmetros normativos criados pelo Estado de Direito no delineamento das práticas econômicas, seja instituindo políticas específicas, coibindo condutas, prevendo as formas de fiscalização, regulação e participação do

Ver todos os capítulos
Medium 9788530972349

Capítulo 10 – Serviços do RGPS

CASTRO, Carlos Alberto Pereira de; LAZZARI, João Batista Grupo Gen PDF

Capítulo

10

SERVIÇOS

SERVIÇOS DO RGPS

SERVIÇO SOCIAL

HABILITAÇÃO E REABILITAÇÃO SOCIAL

Serviços são prestações previdenciárias de natureza imaterial postas à disposição dos segurados e dos dependentes do Regime Geral de Previdência Social (RGPS). Podem ser divididos em serviço social e habilitação e reabilitação profissional.

 10.1   SERVIÇO SOCIAL

O Serviço Social é previsto para esclarecer aos beneficiários seus direitos sociais e os meios de exercê-los, além de estabelecer com eles o processo de solução dos problemas que emergirem da sua relação com a

Previdência Social, tanto no âmbito interno da instituição como na dinâmica da sociedade.

Para assegurar o efetivo atendimento dos usuários, é prevista a utilização de intervenção técnica, assistência de natureza jurídica, ajuda material,

Direito_Previdenciario.indb 343

18/07/2016 13:55:38

344

DIREITO PREVIDENCIÁRIO

recursos sociais, intercâmbio com empresas e pesquisa social, inclusive mediante celebração de convênios, acordos ou contratos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530974336

PARTE V - Capítulo VII – Embargos de Devedor

STUCHI, Victor Hugo Nazário Grupo Gen PDF

Capítulo VII

Embargos de Devedor

1. Embargos de Devedor. a) XIII Exame de Ordem Unificado - Rômulo Delgado Silva, brasileiro, viúvo, empresário, portador da identidade 113, CPF 114, residente e domiciliado na Avenida Brás Montes, casa 72 – Boa Vista – Roraima – CEP 222, em entrevista com seu advogado, declara que foi sócio da pessoa jurídica Delgado Jornais e

Revistas Ltda., tendo se retirado há 2 anos e 8 meses da empresa; que foi surpreendido com a visita de um Oficial de Justiça em sua residência, que da primeira vez o citou para pagamento de uma dívida trabalhista de R$ 150.000,00, oriunda da 50.ª Vara do Trabalho de Roraima, no Processo 0011250-27.2013.5.11.0050 e, em seguida, 48 horas depois, retornou e penhorou o imóvel em que reside, avaliando-o, pelo valor de mercado, em R$ 180.000,00; que tem apenas esse imóvel, no qual reside com sua filha, já que viúvo; que o Oficial de Justiça informou que há uma execução movida pela ex-empregada Sônia Cristina de Almeida contra a empresa que, por não ter adimplido a dívida, gerou o direcionamento da execução contra os sócios; que foi ao Fórum e fotocopiou todo o processo, agora entregue ao advogado; que nas contas homologadas, sem que a parte contrária tivesse vista, foi verificado que a correção monetária foi calculada considerando o mês da prestação dos serviços, ainda que a sentença fosse omissa a respeito; que, ao retornar para penhorar o imóvel, o oficial informou de que a dívida havia aumentado em 10%, porque o juiz aplicou a multa do artigo 523, CPC.

Ver todos os capítulos

Carregar mais