2301 capítulos
Medium 9788563308207

15 Engrenagens cônicas e sem-fim

Budynas, Richard Grupo A - AMGH PDF

792    Elementos de máquinas de Shigley: projeto de engenharia mecânica

A American Gear Manufacturers Association (AGMA) estabeleceu as padronizações para a análise e desenho dos vários tipos de engrenagens cônicas e engrenagens sem-fim. O

Capítulo 14 foi uma introdução aos métodos da AGMA para engrenagens cilíndricas de dentes retos e engrenagens helicoidais. A AGMA também estabeleceu métodos similares para outros tipos de engrenamentos, todos seguindo o mesmo procedimento geral.

15–1

Engrenamento cônico – Geral

As engrenagens cônicas podem ser classificadas como se segue:

Engrenagens cônicas de dentes retos.

Engrenagens cônicas espirais.

Engrenagens cônicas Zerol.

Engrenagens hipoides.

Engrenagens espiroides.

Uma engrenagem cônica de dentes retos foi ilustrada na Figura 13–35. Ela é utilizada geralmente para velocidades na linha primitiva de até 1 000 ft/min (5 m/s), quando o nível de ruído não é considerado importante. Estão disponíveis em muitos tamanhos comerciais e são menos custosas de produzir que outras engrenagens cônicas, especialmente em pequenas quantidades.

Ver todos os capítulos
Medium 9788502102729

4.4. Petróleo: um “jogo para gente grande” ou novos atores são bem-vindos?

Ferreira, Lier Pires Editora Saraiva PDF

que, por questões político-governamentais, a Agência vem sofrendo forte contingenciamento de verbas de modo que os investimentos necessários para o pleno cumprimento de suas competências não ocorrem satisfatoriamente. É o que se depreende das palavras de Haroldo LIMA, então diretor da ANP, para quem “o contingenciamento é um problema que nos tem preocupado. (...) temos dificuldades em realizarmos certas coisas por causa das limitações orçamentárias. Se não tivéssemos esse contingenciamento, poderíamos estar fazendo mais coisas”505.

4.4. �P etróleo: um “jogo para gente grande” ou novos atores são bem-vindos?

Conforme RIBEIRO,“a indústria do petróleo tem ciclos macro, e uma dinâmica própria de negócios (...). Esses se regem por uma lógica peculiar, que combina atualização constante da interpretação de dados, razões econômicas, novas avaliações dos cenários de investimentos nos diferentes países, inclusive risco político, contempladas aí também as novas oportunidades atrativas surgidas em outros cenários”506. Por tais características, a indústria do petróleo é uma indústria global, na qual grandes oligopólios transnacionais dominam o mercado.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521630777

13. Conceitos Mínimos de Material Rodante

ROSA, Rodrigo de Alvarenga Grupo Gen PDF

13

Conceitos Mínimos de Material Rodante

013.alvarenga.indd 136

10/09/15 20:07

137

1. Material de tração;

2. Material rebocado.

Conceitos Mínimos de Material Rodante

O material rodante é o conjunto de todos os equipamentos que se locomovem sobre a via permanente. O material móvel das estradas de ferro, material rodante, é classificado pela sua capacidade de tração:

O material de tração é composto pelos seguintes veículos: as locomotivas, os equipamentos de via e os diversos veículos motorizados que podem circular na ferrovia. Usualmente, as locomotivas são também denominadas material de tração, confundindo-se com o sentido mais amplo do termo material de tração.

O material rebocado é composto pelos seguintes veículos: os carros que transportam os passageiros e os vagões que transportam as cargas.

Serão detalhadas a seguir as características do contato roda-trilho do material rodante.

Posteriormente, serão apresentados os dois tipos de material rodante que circulam na ferrovia.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521625780

1 Ferramentas, Instrumentos e Equipamentos Específicos

MILLER, Rex; MILLER, Mark Grupo Gen PDF

CAPÍTULO

1

Ferramentas,

Instrumentos e

Equipamentos

Específicos

Miller 01PDFG.indd 1

27.11.13 21:24:43:10

2  Capítulo 1

OBJETIVOS DE DESEMPENHO

Após estudar este capítulo, você deverá:

1. Compreender como as ferramentas e os instrumentos tornam possível instalar, operar e consertar equipamentos de refrigeração e ar condicionado.

2. Saber como utilizar várias ferramentas concebidas especialmente para o trabalho em refrigeração e ar condicionado.

3. Saber como a eletricidade é medida.

4. Saber como identificar pelo nome as ferramentas utilizadas na área.

5. Saber a diferença entre volt, ampère e ohm e como medir cada um deles.

6. Saber como trabalhar com equipamentos de refrigeração e ar condicionado de forma segura.

FERRAMENTAS E EQUIPAMENTOS

O técnico em ar condicionado deve trabalhar com eletricidade.

Equipamentos que foram instalados podem ter que ser substituídos ou reinstalados. Em qualquer dos casos, é necessário identificar e utilizar as várias ferramentas e equipamentos de forma segura. Ferramentas especiais, normalmente medidores, são necessárias para instalar e manter o fornecimento de energia elétrica para unidades de condicionadores de ar. Os fios e a ligação elétrica devem estar de acordo com a Associação

Ver todos os capítulos
Medium 9788521622130

6 - Instalações para Motores

NISKIER, Julio; MACINTYRE, Archibald Joseph Grupo Gen PDF

6

Instalações para Motores

6.1

CLASSIFICAÇÃO DOS MOTORES ELÉTRICOS

Conforme a natureza da corrente que os alimenta, os motores elétricos dividem-se em:

• Motores de corrente contínua (CC).

• Motores de corrente alternada (AC) ou (CA).

Consideremos cada uma dessas modalidades.

6.1.1 Motores de Corrente Contínua

Funcionam pela ação de um campo magnético, produzido pela excitação dos polos do motor com a corrente contínua. São usados quando se pretende variar a velocidade durante o funcionamento ou quando o conjugado resistente de partida (torque) da máquina acionada é elevado.

A variação de velocidade desses motores é conseguida de diversos modos, sendo os mais comuns a variação da tensão aplicada ao induzido e a variação do fluxo no entreferro pela redução da corrente de campo.

A modificação no valor de tensão é feita variando-se as resistências dispostas em série, com o emprego de um reostato, isto é, resistor ou conjunto unitário de resistores interligados cuja resistência de saída pode ser variada de maneira contínua ou por degraus.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos