4276 capítulos
Medium 9788597011500

33 - O recomeço

BREMER, Carlos; CARRASCO, Gilberto; GEROLAMO, Mateus Cecílio; CARPES, Newton Paulo Zenkner Atlas PDF

O recomeço

Nos dias seguintes, Hélio e Rocha se encontraram com os líderes de frente do projeto para acertar as pendências. Os dois participaram de pequenas reuniões individuais com os membros do comitê de gestão para iniciar o processo de desmobilizar as equipes.

Ao longo da semana, Hélio também visitou fornecedores para fechar o trabalho com os terceiros envolvidos no projeto.

Os dois também organizaram a documentação e preparam todo o material para apresentar na reunião de encerramento.

A pauta era diferente das habituais, uma vez que seria a reunião de encerramento do projeto.

– Rocha, veja como ficou a apresentação. Vamos começar mostrando um vídeo que foi gravado pelo Juca. Ele foi documentando os procedimentos durante o decorrer do projeto e, no final, inserimos alguns depoimentos e editamos o material para ficar bem completo. Veja como ficou show!

– Puxa, ficou muito bom mesmo, Hélio! – disse Rocha após ver o vídeo. – O pessoal vai adorar se ver no vídeo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522454655

10 Considerações Finais

MELLO, Carlos Henrique Pereira et al. Atlas PDF

10

Considerações Finais1

Por Eduardo Gomes Salgado

10.1 Organização para a implementação

Antes de iniciar qualquer ação no sentido de implementar seu sistema de gestão da qualidade, a organização deve montar uma estrutura mínima, como mostra a Figura 10.1, para dar-lhe subsídios na condução das tarefas necessárias.

1

As informações sobre as diretrizes para implementação do sistema de gestão da qualidade com base na versão 2008 da norma ISO 9001 foram baseadas no documento Implementation Guidance for ISO 9001:2008, disponível no site do comitê técnico 176 SC2 da ISO (http://www.iso.org/ tc176/sc2).

Book 1.indb 210

5/5/2009 14:30:24

Considerações Finais

211

Figura 10.1 Estrutura para implementação do SGQ.

Essa estrutura mínima é composta por:

escritório da qualidade; coordenador da qualidade; comitê da qualidade; representante da direção; uma sala com recursos, como computador e impressora.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522482054

Parte II - 8 Custeio Baseado em Atividades (ABC) – Abordagem Inicial

MARTINS, Eliseu Atlas PDF

8

Custeio Baseado em Atividades

(ABC) – Abordagem Inicial

8.1

IMPORTÂNCIA DO CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES

O Custeio Baseado em Atividades, conhecido como ABC (Activity-Based Costing), é um método de custeio que procura reduzir sensivelmente as distorções provocadas pelo rateio arbitrário dos custos indiretos, discutidas nos três últimos capítulos.

O ABC pode ser aplicado, também, aos custos diretos, principalmente à mão de obra direta, e é recomendável que o seja; mas não haverá, neste caso, diferenças significativas em relação aos chamados “sistemas tradicionais”. A diferença fundamental está no tratamento dado aos custos indiretos.

Com o avanço tecnológico e a crescente complexidade dos sistemas de produção, em muitas indústrias os custos indiretos vêm aumentando continuamente, tanto em valores absolutos quanto em termos relativos, comparativamente aos custos diretos

(destes, o item Mão de Obra Direta é o que mais vem decrescendo).

Ver todos os capítulos
Medium 9788521629436

Parte I. 1 - História da Gestão do Esporte no Brasil

VANCE, Patricia de Salles; NASSIF, Vânia Maria Jorge; MASTERALEXIS, Lisa Pike LTC PDF

Vance — Prova 3 — 5/5/2015 — Maluhy&Co. — página 3

1

História da Gestão do

Esporte no Brasil

João Manuel Casquinha Malaia Santos1

Os objetivos deste capítulo são:

. Abordar momentos importantes do passado da gestão do esporte, da regulamentação do esporte internacional, da gestão de eventos esportivos internacionais e do papel dos gestores no esporte.

. Introduzir procedimentos básicos da investigação histórica tanto nos casos em que a história serve apenas como ilustração de um contexto, quanto quando o foco central da investigação seja o passado de uma organização esportiva.

. Apresentar casos que ilustrem a utilização dos procedimentos da investigação histórica para o conhecimento da gestão do esporte.

1

Professor do Programa de Mestrado Profissional em Administração – Gestão do Esporte da

Universidade Nove de Julho, na área de marketing esportivo.

Vance — Prova 3 — 5/5/2015 — Maluhy&Co. — página 4

Ver todos os capítulos
Medium 9788521629436

Parte II. 11 - Vendas de Produtos Esportivos

VANCE, Patricia de Salles; NASSIF, Vânia Maria Jorge; MASTERALEXIS, Lisa Pike LTC PDF

Vance — Prova 3 — 5/5/2015 — Maluhy&Co. — página 195

11

Vendas de Produtos Esportivos

Steve McKelvey1

Os objetivos deste capítulo são:

. Destacar a relevância da função de vendas para as organizações esportivas.

. Descrever elementos fundamentais para o desenvolvimento de uma equipe de vendas de sucesso.

. Apresentar táticas para promover o crescimento das vendas de ingressos.

Mais de  pacotes de ingressos são adquiridos pelos sócios; vendas até  horas de sábado ()

Mais de  pacotes de ingressos incluindo os jogos contra Criciúma (/),

Náutico (/) e o clássico contra o São Paulo (/ – data a ser confirmada pela CBF) já foram adquiridos pelos sócios do Santos. O pacote, exclusivo para associados, está disponível para compra pelo www.sociorei.com.br até  horas deste sábado () – véspera do jogo contra o Criciúma –, caso o número limite não esgote antes.

Fonte: http://www.santosfc.com.br/noticias/conteudo.asp?id=#.UqJPvWTwJA.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos