723 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788536319926

x

Pacheco, José Grupo A - Artmed PDF

x

Todas as manhãs, Arnaldo já chega cansado de duas horas de trabalho. Antes de ir para a escola, Rui foi ao agricultor buscar o leite, levou os irmãos menores à creche, deu os recados da Dona Alice, arrumou a casa toda. Carlos falta quase todas as tardes. O pai o manda distribuir por toda a vila as folhas que dão notícia dos falecimentos da véspera, ou tem que carregar os enfeites dos funerais.

O tempo amarelou as folhas dos cadernos onde as crianças deixaram ficar pedaços de vida. Aos 9 anos, Fernando disse o que queria ser quando fosse grande, escreveu os projetos do seu futuro para sempre destruídos num estúpido acidente na moto que ele comprou com os primeiros salários de tecelão. Outros não chegaram a se tornar adultos por se deixarem envolver nas teias que a droga tece. Houve também quem abandonasse a escola e optasse pelas lições que a escola da vida oferece. Outros ainda dizem agora “querer mudar de vida”.

E os pais:

O senhor professor, que me diz? Eu acho que Jorge já tem idade para ir com o tio para as feiras. Se o coloco no ciclo, só ganha vícios e más companhias.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536319926

c

Pacheco, José Grupo A - Artmed PDF

c aquilo que é verdadeiro acaba sendo provado. Mesmo que os

“indignados” tentem tapar o sol com a peneira…

Afirmei haver estudantes que alcançam o canudo sem nada terem aprendido, porque plagiam trabalhos de outros, porque parasitam trabalhos de grupo (nos quais, um ou dois se matam e os restantes levam a nota…), ou copiam nos exames.

Há cerca de dois anos, quando um ministro de triste memória quis ressuscitar os pretensos méritos dos exames, voltei à carga, para demonstrar que os testes, as provas e os exames pouco ou nada avaliam. Terminei a série de artigos então publicados com um apelo aos professores: que fossem mais rigorosos na avaliação, para poderem dispensar os exames inúteis. Um jornal mostrou as conclusões de um estudo, que mostrava terem sido justas as minhas palavras de 20 anos atrás: três quartos dos alunos das nossas universidades copiam como uns desalmados.

O estudo divulgado tem um título bem sugestivo: “Cola nas universidades, o grau zero da qualidade”. O autor do estudo relatou que a carga moral da elevação de uma conduta desviada pode ter calado mais do que um dos alunos inquiridos. Mas que, apesar deste possível desvio por defeito, serão

Ver todos os capítulos
Medium 9788536303338

1. Gestão Escolar: Guia do Diretor em Dez Lições

Artmed Pitágoras Grupo A - Artmed PDF

17

Coleção Escola em Ação

Gestão Escolar: Guia do

Diretor em Dez Lições

1

Pedro Faria Borges

FUNDAMENTOS

Lição 1: A Escola como Sistema

Eu era um bom professor de língua portuguesa. Tal fato teve como conseqüência o convite para coordenar o departamento de língua portuguesa do sistema no qual trabalhava. Como coordenador, também me saí bem, e me tornei vice-diretor de uma das unidades da instituição. Na vice-diretoria, tive também um bom desempenho, e a conseqüência foi tornar-me diretor de uma escola da instituição.

Acredito que esse caminho foi trilhado por muitos daqueles que estão na direção de escolas brasileiras. Basta mudar o nome da disciplina. Tenho colegas de matemática, história, educação física, química, biologia, inglês, geografia que são ou foram diretores de escola. Sabe-se, no entanto, que dirigir uma instituição educacional é muito diferente de ser professor, e que, embora haja algumas coincidências, ser diretor exige competências e habilidades distintas daquelas que são necessárias para o exercício do magistério. Acontece, com certa freqüência, de um ótimo professor tornar-se um diretor medíocre. Há excelentes vice-diretores que, ao se tornarem diretores, “metem os pés pelas mãos”. E também ocorre, embora menos freqüentemente, de professores medianos se tornarem ótimos diretores.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536305172

Introdução: Empreendedorismo – Um Novo Passo em Educação

Andrade, Rosamaria Calaes de Grupo A - Artmed PDF

11

Coleção Escola em Ação

Introdução:

Empreendedorismo – Um Novo

Passo em Educação

Rosamaria Calaes de Andrade

APRESENTAÇÃO

A Rede Pitágoras realizou, em maio de 2004, em São Paulo, o Congresso Empreendedorismo: um novo passo em educação, com o objetivo de desencadear a discussão sobre conceitos, pesquisas e experiências práticas de formação de empreendedores, evidenciando o empreendedorismo como parte integrante da educação escolar.

O congresso apresentou aos participantes as relações entre formação escolar e empreendedora, seus pontos de contato e complementaridade, promovendo a reflexão e a discussão sobre a educação empreendedora como parte do currículo escolar, apontando rumos conceituais e operacionais para a inclusão do empreendedorismo nas escolas. As atividades programadas proporcionaram aprofundamento sobre os desdobramentos do empreendedorismo nas atividades escolares, além de oportunizarem a interação com iniciativas empreendedoras e sua aproximação com as instituições educacionais.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521621553

Capítulo 7 - Ambientes de Aprendizagem e Recursos Instrucionais

MALHEIROS, Bruno Taranto LTC PDF

Capítulo 7

Ambientes de Aprendizagem e

Recursos Instrucionais

Contextualizando

O Cortiço, de Aluísio Azevedo

João Romão foi, dos treze aos vinte e cinco anos, empregado de um vendeiro que enriqueceu entre as quatro paredes de uma suja e obscura taverna nos refolhos do bairro do Botafogo; e tanto economizou do pouco que ganhara nessa dúzia de anos, que, ao retirar-se o patrão para a terra, lhe deixou, em pagamento de ordenados vencidos, nem só a venda com o que estava dentro, como ainda um conto e quinhentos em dinheiro.

Proprietário e estabelecido por sua conta, o rapaz atirou-se à labutação ainda com mais ardor, possuindo-se de tal delírio de enriquecer, que afrontava resignado as mais duras privações. Dormia sobre o balcão da própria venda, em cima de uma esteira, fazendo travesseiro de um saco de estopa cheio de palha. A comida arranjava-lha, mediante quatrocentos réis por dia, uma quitandeira sua vizinha, a Bertoleza, crioula trintona, escrava de um velho cego residente em Juiz de Fora e amigada com um português que tinha uma carroça de mão e fazia fretes na cidade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522474400

4 - Entrevista em profundidade

DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio (orgs.) Atlas PDF

$

Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação

"

Entrevista em profundidade

Jorge Duarte

�Conhecimento e poder são um.� F. BACON

(Aforisma iii)

(GRANGER, 1967, p. 21)

�E

ntrevista é uma das mais comuns e poderosas maneiras que utilizamos para tentar compreender nossa condição humana�, dizem Fontana &

Frey (1994, p. 361). Ela tornou-se técnica clássica de obtenção de informações nas ciências sociais, com larga adoção em áreas como sociologia, comunicação, antropologia, administração, educação e psicologia. Embora antes utilizada em jornalismo, etnografia, psicologia e pesquisas de mercado e de opinião, seu surgimento como tema metodológico pode ser identificado na década de 1930 no

âmbito das publicações de assistência social americana, recebendo grande contribuição na década de 1940 nos estudos de Carl Rogers sobre psicoterapia orientada para o paciente (SCHEUCH, 1973, p. 171-172). A partir da Segunda

Guerra Mundial, as entrevistas passam a possuir orientações metodológicas próprias.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536319926

s

Pacheco, José Grupo A - Artmed PDF

s

Como sindicalista, senti-me traído. Como professor, envergonhado. Não é fugindo que se conseguirá valorizar a imagem social da nossa profissão – é encarando os desafios.

A Resolução 946 vem fora de hora, é mera distração de políticos, mas os professores não devem jogar fora o menino com a água do banho... deve-se aproveitar a oportunidade para abrir um debate sério sobre o assunto.

A taxa de repetência na 1a série do ensino fundamental no Brasil não anda longe dos 40%. Muitos alunos chegam à 4a série sem terem aprendido a ler. E logo se aponta a “progressão continuada” (prefiro o espírito e a letra desta designação) como responsável, esquecendo que os estados com maior taxa de repetência não adotam o sistema de ciclos nem a chamada

“aprovação automática”.

No mesmo jornal, mas há mais de três anos, também li:

”A organização pedagógica consagrada é baseada na avaliação constante e não em notas e repetência. Mas a implantação é falha. É mais uma história da boa ideia que foi mal-aplicada e mal-entendida. A falta de discussão e preparação para a organização pedagógica em ciclos e a progressão continuada manchou o nome de uma concepção de educação consagrada. Muitos pais, professores e até o presidente da República ainda não entendem a proposta.” A memória é curta. E, talvez por isso, ouvi uma professora exclamar: “Que bom que ainda há aluno repetindo o ano! Isso prova que ainda há escolas sérias que

Ver todos os capítulos
Medium 9788521623052

Capítulo 5 - Lições de duas experiências

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de E.P.U. PDF

C

a p í t u l o

5

Lições de duas experiências

Neste capítulo vamos procurar registrar as lições aprendidas com a realização de dois estudos que representam o tipo de pesquisa frequentemente realizado hoje em educação e do qual tratamos neste livro. São duas dissertações de mestrado realizadas no Departamento de Educação da PUC-Rio e orientadas por uma das autoras deste livro.

A outra autora também tem grande participação em ambos os estudos, pois, além de membro das bancas de defesa das dissertações, foi bastante consultada pelas mestrandas durante sua elaboração. Assim, tivemos acesso ao desenvolvimento dos estudos, e não apenas ao seu produto, as dissertações, e pudemos, a partir daí, extrair uma série de ensinamentos úteis para nós mesmas e para os que se iniciam nesse tipo de pesquisa.

O primeiro estudo tem como foco principal o problema da alfabetização.1 Sua autora, Tânia, estava há muito tempo preocupada com o baixo índice de sucesso das nossas escolas públicas na importante função de alfabetizar. Ela já conhecia bem as características do problema, pois já tinha trabalhado por um longo período como professora e também como orientadora pedagógica em escolas de 1o grau. Foi

Ver todos os capítulos
Medium 9788573077636

INTRODUÇÃO

Macedo, Lino de Grupo A - Artmed PDF

APRENDER COM JOGOS E SITUAÇÕES - PROBLEMA

13

Para a realização de um projeto com jogos

Esta introdução tem como objetivo apresentar uma síntese da metodologia de trabalho desenvolvida pela equipe do Laboratório de Psicopedagogia (LaPp) do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Neste contexto, jogos são utilizados no atendimento psicopedagógico a crianças e para o aperfeiçoamento de profissionais da área educacional.

O trabalho com crianças visa a oferecer apoio psicopedagógico a alunos de 1a a 4a séries da Escola Fundamental (cujas idades variam de 7 a 12 anos) que estão apresentando dificuldades de aprendizagem relativas ao âmbito escolar. Num contexto de oficinas, jogos são propostos com o objetivo de coletar importantes informações sobre como o sujeito pensa, para ir simultaneamente transformando o momento de jogo em um meio favorável à criação de situações que apresentam problemas a serem solucionados. A idéia central do trabalho consiste em fazer com que o jogador tenha uma atuação o mais consciente e intencional possível, de modo que possa produzir um resultado favorável ou, se isso não ocorre, que aprenda a analisar os diferentes aspectos do processo que o impediram de atingi-lo. Com isso, freqüentemente o aluno

Ver todos os capítulos
Medium 9788521621317

Parte III - Capítulo 7 - Gestão de Aprendizagem On-line na Educação Corporativa

RAMAL, Andrea LTC PDF

Capítulo 7

Gestão de Aprendizagem On-line na Educação Corporativa

Renata Kurtz

Contextualização

Com a intensidade e a velocidade das mudanças na economia, na tecnologia, no contexto político mundial, enfim, na sociedade atual, cada vez mais empresas buscam a inovação como ponto importante em sua estratégia nos mais diversos setores do mercado. Seja a inovação em produtos ou em processos, é preciso investir em aprendizagem, em geração de novas ideias e novos conhecimentos, ou seja, investir nas pessoas que trabalham na empresa, pois são elas que conhecem as demandas da empresa, as necessidades de melhorias, e por meio de quem pode se originar a inovação.

O ambiente empresarial que se dedica à educação dos empregados também passa por modificações. A área responsável pela promoção de treinamentos instrumentais, que atendam às exigências para a realização das tarefas, apesar de essencial à execução do trabalho, não traz por si só inovação. Novas competências são requisitadas, e cursos à disposição no mercado podem não ser mais suficientes para capacitar os empregados para as novas necessidades de aprendizagem.

Ver todos os capítulos
Medium 9788502098107

3.3. INCLUSÃO SOCIAL COMO UM CONCEITO EM CONSTRUÇÃO NA LUTA HEGEMÔNICA

Ferreira Leoncy, Léo Editora Saraiva PDF

como já assinalado no Capítulo 2, exige a sua efetiva aplicação/concretização como forma de cooperação, redenção e de tratamento igualitário entre todos os entes, nos aspectos econômicos e sociais. Assim, a importância atribuída à lógica discursiva e, consequentemente, ao entendimento entre os atores sociais desloca a discussão para a questão da solidariedade social como fundamento de um novo contexto.

3.3  �INCLUSÃO SOCIAL COMO UM CONCEITO EM CONSTRUÇÃO NA LUTA HEGEMÔNICA

O Estado federado reconfigura-se a partir das técnicas de comunicação, as quais têm construído o mundo do futuro, o mundo da pós-modernidade. Assim, os discursos buscam revelar se há de fato uma metanarrativa, cuja noção semântica gire em torno de fato dos valores da cooperação e da solidariedade, ao passar pela atitude de incredulidade decorrente da pós-modernidade, no sentido de Lyotard133. Isso porque uma atitude pós-moderna é incrédula em relação aos metarrelatos.

De acordo com Lyotard, o princípio de uma metalinguagem universal é substituído pelo da pluralidade de sistemas formais e axiomáticos capazes de argumentar enunciados denotativos, sendo esses sistemas descritos em uma metalíngua universal, mas não consistente134.

Ver todos os capítulos
Medium 9788502171749

8. NOSSO ENTENDIMENTO

Caminha, Uinie Editora Saraiva PDF

É o que se denomina vacatio legis, isto é, o período (espaço de tempo) em que as regras jurídicas aguardam para entrar efetivamente em vigor; o lapso temporal entre a data da publicação da lei e a data do início de sua vigência.

A obrigatoriedade da lei surge com sua publicação no Diário Oficial; contudo, a entrada em vigor não se dará automaticamente com a publicação. O tempo que decorre da data da publicação até a da sua “efetiva incidência (entrada em vigor)” é o que se denomina vacatio legis (CUNHA:

2012, p. 81).

O período de tempo em que a nova legislação permanecerá sem incidência dependerá da importância e complexidade da temática regulamentada, senão, mesmo, “para que o cidadão (destinatário) tenha tempo razoável para conhecê-la” (CUNHA: 2012, p. 81).

A regra jurídica que define a entrada em vigor de um texto normativo pode se caracterizar por seu efeito diferido (DIMOULIS: 2003, p. 214), isto é, quando estabelecer um período de tempo entre a data de publicação e sua entrada em vigor.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522474400

11 - Grupo focal

DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio (orgs.) Atlas PDF

�&�

Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação

��

Grupo focal

Maria Eugênia Belczak Costa

... Alguém viu Nasrudin procurando alguma coisa no chão. �O que é que você perdeu, Mullá�?, perguntoulhe. �Minha chave�, respondeu o Mullá.

Então os dois se ajoelharam para procurá-la. Um pouco depois o sujeito perguntou: �Onde foi exatamente que você perdeu essa chave?� �Na minha casa.�

�Então por que está procurando por aqui?�

�Porque aqui tem mais luz� (Histórias de Nasrudin).

Nem sempre sabemos a pergunta certa, essencial para o problema ou desafio. De acordo com Hellinger, o mais importante é a definição da pergunta. O

Grupo Focal, como ferramenta de pesquisa qualitativa, ajuda a identificar tendências, o foco, desvenda problemas, busca a agenda oculta do problema.

O Grupo Focal permite-nos também aprofundar nossa reflexão em busca do que é essencial � Jean Ives Leloup diz que conhecemos três palavras: o urgente, o necessário e o essencial. Vivemos muito na urgência e no necessário, mas, quando se trata do essencial, deixamos para mais tarde as oportunidades de ampliação de consciência. Eu diria que o Grupo Focal, quando bem orientado, permite a reflexão sobre o essencial, o sentido dos valores, dos princípios e motivações que regem os julgamentos e percepções das pessoas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521621553

Capítulo 1 - Uma Breve História das Formas de Ensinar

MALHEIROS, Bruno Taranto LTC PDF

Capítulo 1

Uma Breve História das Formas de Ensinar

Contextualizando

Antepassado, de Carlos Drummond de Andrade

Só te conheço de retrato, não te conheço de verdade, mas teu sangue bole em meu sangue e sem saber te vivo em mim e sem saber vou copiando tuas imprevistas maneiras. (...)

Refaço os gestos que o retrato não pode ter, aqueles gestos que ficaram em ti à espera de tardia repetição, e tão meus eles se tornaram, tão aderentes ao meu ser que suponho tu os copiaste de mim antes que eu os fizesse. (...)

Neste poema, Drummond fala sobre como nossos antepassados são capazes de influenciar nossas atitudes, ainda que não os tenhamos conhecido. Com base na leitura deste poema, reflita:

>> As formas de ensinar utilizadas no passado influenciam os métodos atuais?

>> �É possível existir um método de ensino que não tenha sido influenciado pelos pensadores da educação do passado?

>> �Existe algum método de ensino que seja totalmente livre da influência do contexto histórico?

Ver todos os capítulos
Medium 9788536322865

17 Ensino e aprendizagem de estratégias de busca e seleção de informações em ambientes virtuais

Coll,César Grupo A - Artmed PDF

17

Ensino e aprendizagem de estratégias de busca e seleção de informações em ambientes virtuais

Carles Monereo e Marta Fuentes

Necessidade, importância e impacto social da busca e seleção de informações

Buscar para sobreviver

O título não nos parece exagerado. Na sociedade-rede, na qual estamos irremediavelmente imersos, as possibilidades de escolher estão cada vez mais condicionadas pelas possibilidades de ter acesso e selecionar informação relevante na internet. Para comprar uma passagem de avião mais econômica, para encontrar uma oferta de trabalho mais apropriada ao nosso perfil ou para contatar uma pessoa, é preciso contar com as habilidades necessárias para isso ou nossas alternativas de desenvolvimento vital diminuirão.

Nos âmbitos acadêmico e profissional, esse impacto também é crescente.

Completar uma tarefa acadêmica, desenvolver um projeto profissional com qualidade e pesquisar com o rigor exigido são atividades intelectuais que requerem o acesso a fontes informativas das mais diversas, exaustivas, acessíveis e confiáveis, e uma rede como a internet satisfaz muito bem essas expectativas. Será que também cumprem seu papel à altura os agentes buscadores, ou seja, os estudantes, profissionais e pesquisadores que mergulham na

Ver todos os capítulos

Carregar mais